Os números da CPMF por faixa salarial e familiar provam que há uso político no veto

Para quem ganha, por exemplo, 1 Salário Mínimo na ordem de R$ 800,00 a contribuição mensal será de apenas R$ 0.16, da mesma que, na sequência, R$ 0,32 para 2 Salário Mínimos e por aí vai

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

De repente, sempre movido por influência de manipulação de dados, muita gente tem se posicionado contra a possibilidade real de se ter a CMPF por algum tempo visando superar a crise econômico – financeira, embora seja fácil de atestar que mais de 66% da população brasileira contribuirá no máximo com R$ 0,96 centavos/mês, portanto, menos do que R$ 1 Real.

Para quem ganha, por exemplo, 1 Salário Mínimo na ordem de R$ 800,00 a contribuição mensal será de apenas R$ 0.16, da mesma que, na sequência, R$ 0,32 para 2 Salário Mínimos e por aí vai.

Conforme levantamento enviado à Coluna por um Expert em Finanças e ex-diretor de Bancos nacionais, mais de 66% da população brasileira contribuirá com menos de R$ 1 real por mês, portanto, não faz o menor sentido a gritaria tomada de pânico de muitos que trabalham dessa forma para manter o “quanto pior, melhor”.

Aliás, é preciso levar em conta ainda dados do Ministro Nelson Barbosa mostrando o percentual da renda monetária das famílias no País, por faixa de renda em múltiplos do salário minino,que é o seguinte:

- 20,1% renda familiar até 2 salários mínimos

- 16,15% renda familiar de 2 a 3 salários mínimos

- 30,1% renda familiar entre 3 e 6 salários mínimos

- 15,9% renda familiar entre 6 e 10 salários mínimos

- 7,6% renda familiar entre 10 e 15 salários mínimos

- 5,4% renda familiar entre 15 e 25 salários mínimos

- 3,8% renda familiar de mais de 25 salários mínimos

Com base nesse levantamento, se levarmos em conta 81,9% da renda familiar brasileira, os números de participação serão os seguintes: 

Salários Ganhos        CPMF 0,2%

7                                                         1,12

8                                                         1,28

9                                                         1,44

10                                                      1,60

 

Trocando em miúdos, usar a grande maioria dos brasileiros considerados de classe social menos abastada, os pobres em si, para justificar o veto à CPMF é contrariar a matemática com uso político apenas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247