Poemeto adaptado para um Brasil bolsonazista

Quando os bolsonazistas vieram buscar os aposentados, eu não fiz nada porque não era um aposentado comum. Quando vieram buscar os servidores com salários mais baixos, para serem demitidos porque não eram essenciais para o governo, eu não fiz nada porque não sou um simples servidor. Faço parte de uma categoria que está no topo do serviço público

(Foto: Divulgação)

Quando os bolsonazistas vieram buscar os aposentados, 

eu não fiz nada porque não era um aposentado comum.

Quando vieram buscar os servidores do Dataprev, 

eu não fiz nada porque alguém disse que eles estavam ociosos.

Aceitei isso como argumento sem me importar com o que seria feito deles.

Quando vieram buscar os servidores do Serpro, 

falaram que eram simples prestadores de serviços. 

Não fiz nada porque achei razoável que essas pessoas

não fossem portadoras de direitos e cidadania.

Quando vieram buscar os servidores com salários mais baixos, 

para serem demitidos porque não eram essenciais para o governo, 

eu  não fiz nada porque não sou um simples servidor.

Faço parte de uma categoria que está no topo do serviço público.

............

Ouço passos marchados por coturnos no pátio.

É a tropa bolsonazista vindo me buscar.

Enquanto esmurram com força a porta da minha casa,

vejo pela Globo a mais recente pesquisa de opinião pública,

90% das pessoas apoiam com raiva o fim do estado do bem estar social, 

gritam com entusiasmo para que as ações de busca prossigam,

convencidos pela máquina de propaganda bolsonazista 

de que somos nós, servidores públicos, 

os vilões do momento, 

os principais culpados pela tragédia que assola o país. 

Mesmo que pudesse ainda gritar 

contra a violência que ora se abate sobre mim, 

coisa de que não posso ter certeza, 

de tanto que me  tenho  calado diante das  injustiças

que de perto  vi e às quais não reagi enquanto era tempo, 

fazendo de conta que não me diziam respeito,

de nada adiantaria, 

pois não haveria ninguém 

para me amparar,

nem ao menos me escutar. 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247