Procura-se um presidente desonesto para o BNDES

"Alvo de acusações que nunca foram comprovadas, o BNDES recebeu um segundo atestado de boa conduta na demissão do presidente Joaquim Levy, que perdeu o cargo porque não alimentou denúncias contra as gestões de Lula e Dilma", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "Rabelo de Castro, que presidiu o BNDES no governo Temer, fez um livro onde disse que 'o banco tem um comportamento ético e exemplar". Para PML, 'para alimentar sua infinita necessidade de denúncias contra o PT, seria mais prático o governo contratar um executivo desonesto, desses que cumprem ordens sem vacilar, de olho no salário gordo e no bônus de fim de ano".

Peça central das campanhas permanentes contra os bancos públicos brasileiros, o BNDES tem sido uma decepção para os governos que assumiram o governo federal   após o golpe que afastou Dilma Rousseff. Isso porque não conseguem confirmar as próprias denúncias.

Ao explicar o pedido de demissão de Joaquim Levy, humilhado por um "tô por aqui" do próprio Jair Bolsonaro, o repórter Bernardo Caram, da Folha de S. Paulo, lembrou uma verdade que até as pedras de Brasília já conhecem: "a  avaliação é de que Levy não deu andamento a uma criteriosa revisão das grandes operações feitas pelo BNDES, principalmente durante a gestão petista".  

A verdade é que Joaquim Levy não é o primeiro economista a ocupar a presidência do BNDES cercado pela expectativa de que iria denunciar  gigantescos esquemas de corrupção contra o Partido dos Trabalhadores -- para ir embora sem nada apontar.

Nomeado presidente do BNDES por Michel Temer, em meio a expectativas idênticas, o economista Paulo Rabelo de Castro, também decepcionou os  padrinhos, no governo, no mundo acadêmico e no jornalismo.

Após uma apuração nos bastidores do banco, Rabelo de Castro  produziu o "Livro Verde," um balanço das operações do BNDES ao longo de quinze anos -- 2001 e 2016 --, período que cobria, justamente,  os governos Lula e Dilma.  Sua conclusão foi um choque para quem esperava uma nova Operação Lava Jato:  "É um banco de comportamento absolutamente ético e exemplar", disse. “Encontrei no BNDES uma equipe excepcional, de cerca de 2,8 mil pessoas, em geral jovens de muito talento. O Banco é casado com o desenvolvimento, a geração de emprego e a inovação, portanto casado com o futuro”, explicou. Com as credenciais de quem foi aluno de Milton Friedman, um dos papas da Universidade de Chicago -- onde Paulo Guedes também estudou --, Rabelo de Castro defende ideias conservadoras  em  meia dúzia de livros, um deles em homenagem a Roberto Campos. Também foi conselheiro da Federação das  Industrias de São Paulo e presidiu o Instituto Atlântico, de apurada  sintonia conservadora.

A atitude responsável de Rabelo de Castro, ao colocar o respeito aos fatos acima das conveniências políticas, teve seu preço. O Livro Verde não teve, nem de longe, a repercussão devida. O próprio economista, que foi vice de Alvaro Dias na última campanha presidencial, até então tinha uma presença frequente em debates sobre política econômica na TV. Caiu na geladeira.

Pode-se esperar um tratamento menos doloroso a Joaquim Levy, já que sua saída ocorre no pior dos muitos momentos ruins do governo Bolsonaro. Conservador assumido, Levy ocupou postos importantes no governo Lula e em especial no início do segundo mandato de Dilma, quando foi ministro da Fazenda.

O debate, aqui, não envolve destinos pessoais nem carreiras profissionais, mas projetos de desenvolvimento econômico.

Fundado em 1952, hoje um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo, o BNDES ocupou um lugar especial na política econômica dos governos Lula e Dilma. Teve um papel positivo no bom momento vivido pelo país (lembra do desemprego de 4%?) no período. 

Numa economia onde os bancos privados cobram juros pornográficos, que inviabilizam a maioria dos investimentos de longo prazo,  o BNDES oferece recursos a um custo mais baixo, viabilizando negócios -- pequenos, médios, gigantescos -- que poderiam morrer sem sair da planilha. 

Na crise de  2008-2009, período em que os grandes bancos privados fugiam de clientes em dificuldade, ocupados apenas em  proteger seus lucros, o trio de grandes bancos públicos -- Caixa, Banco do Brasil e BNDES -- foi o instrumento básico para impedir um desastre apocalíptico.

Diante de uma instituição que cumpre uma função econômica inegável e já recebeu atestado de boa conduta por parte de dois presidentes sem qualquer ligação suspeita, talvez seja mais prático, para o governo  contratar um executivo abertamente desonesto para assumir a presidência do BNDES, desses que cumprem ordens de cima sem vacilar nem reclamar -- de olho no salário gordo de cada mês e no bônus de fim de ano.

Alguma dúvida?   

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

O esvaziamento da Petrobrás

Sob alegação de tornar o mercado mais competitivo, ativos da estatal estão sendo negociados. Parece haver um esvaziamento deliberado da empresa, sem apontar uma estratégia que justifique tal objetivo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247