Quantas divisões tem a democracia?

A postura grotesca do presidente fornece as condições para a formação de uma nova oposição. A democracia tem se demonstrado capaz de unir os agentes políticos. Mas só ela é demasiado abstrato para unir o povo. A política, precisa ser capaz de se reaproximar das pessoas, precisa agir pelo bem comum, seja na saúde, seja na economia.

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

*Alex Saratt e Igor Pereira 

Em meados da década de 1930 o mundo se movia freneticamente em função de dois ou três motivos: a crise desencadeada pelo crash da Bolsa de NY, o avanço do nazifascismo e a iminência de uma nova guerra em escala mundial. 

Nesse contexto o líder soviético Josef Stalin em conversa com o responsável francês pelos Negócios Estrangeiros protagonizou a situação assim relatada: 

“Conta-se que Stalin quisera saber quantas divisões militares dispunha a França aquilatando a sua eficiência. Laval respondeu-lhe, e logo engrenou uma nova razão em favor do acordo que pleiteava; tratava-se de uma motivação, senão tola, quase pueril: o pacto atrairia para Stalin a boa vontade do Papa Pio XII, amaciando a Santa Sé que muito condenava a República Soviética por andar perseguindo os Católicos em terras russas. Foi nessa ocasião (maio de 1935), que Stalin perguntou a Laval: “Ah, o Papa! Quantas divisões tem o Papa?”” 

Retomamos esse episódio para aproveitar a sarcástica indagação staliniana e pergurtarmos, frente ao quadro de escalada golpista e fascista nos discursos e atos do Presidente da República, quais são mesmo as forças e condições que a Democracia realmente existente no Brasil atual ostenta para pôr freios e medidas aos excessos verborrágicos que contém potencial desestabilizador e explosivo? 

Em outros termos: “quantas divisões tem a Democracia?”. 

Após a não tão surpreendente aparição de Jair Bolsonaro em ato extremista que pugnava pelo fechamento do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e pela intervenção militar onde discursou afrontando a Constituição e as instituições republicanas, apareceu explicitamente uma situação que convém contabilizar: uma ampla gama de instituições, organizações e lideranças em reação à fala presidencial trataram de imediato em refutá-la e reprová-la. 

A sucessão de declarações e a emissão de notas de repúdio, em especial a Carta dos Governadores assinada por 20 dos 27 mandatários estaduais, se inscreve naquilo que Renato Rabelo chamou de “Frente Ampla Tácita” e dão razão ao que Mário Fonseca, dirigente comunista do Mato Grosso do Sul, alertou: é muito mais do que uma simples declaração de intenções, representa antes compromissos mínimos e básicos com a questão democrática e entendimento correto da articulação política, embora ainda esteja longe de sugerir uma plataforma ou agenda unitária. 

No cômputo das divisões que paulatinamente vão se agregando em torno da Democracia, somam-se hoje os Poderes Legislativo e Judiciário nacionais, Governos Estaduais, parte expressiva da imprensa liberal, partidos políticos de diversas matizes, parcela importante dos movimentos sociais, intelectualidade progressista, ativistas culturais e a própria cidadania. 

É prematuro fazer qualquer ilação fora do rígido quadro exposto, mesmo porque o lado governista conta com apoios nada desprezíveis e há uma incógnita quanto a postura do Presidente: sinal de força ou de fraqueza? 

A força do presidente hoje é simbolizar um sentimento que foi cuidadosamente construído pela narrativa das televisões, jornais e revistas nos últimos quinze anos. Esse sentimento é a aversão a política. Essa aversão primeiro derrubou o PT, mas não parecia ter sido planejado é os efeitos colaterais. A “política” odiada hoje inclui inclusive essas mesmas televisões, jornais e revistas, e vai além, se volta contra o parlamento, o judiciário, os governos estaduais. Esses setores reagem, mas ainda não parecem demonstrar uma tática e uma estratégia para além da mera disputa pelo poder. O problema hoje nem é propriamente derrotar Bolsonaro, mas o que apresentar em seu lugar. 

A postura grotesca do presidente fornece as condições para a formação de uma nova oposição. A democracia tem se demonstrado capaz de unir os agentes políticos. Mas só ela é demasiado abstrato para unir o povo. A política, precisa ser capaz de se reaproximar das pessoas, precisa agir pelo bem comum, seja na saúde, seja na economia. 

Há bastante inteligência em todos que já concluíram que é impossível o Brasil se desvencilhar da crise, da morte em massa e do autoritarismo mantendo Bolsonaro a frente do Poder. Urge organizar todas as divisões que perceberam isso em torno de um bloco único, uma Frente Ampla de Salvação Nacional.

Igor Corrêa Pereira*

Igor Corrêa Pereira é técnico em assuntos educacionais e mestrando em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro da direção estadual da CTB do Rio Grande do Sul.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247