Quem vai blefar nas ‘casernas’ de Nardes quando Lula for o chefe supremo das Forças Armadas?

"Como Lula lidará com os espasmos golpistas de patriotas civis e fardados, em situação nunca experimentada antes?", pergunta Moisés Mendes

www.brasil247.com - Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e militares
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e militares (Foto: Ricardo Stuckert | ABR)


Por Moisés Mendes, para o 247

Os acampamentos e bloqueios em ruas e estradas, os blefes e as ameaças estarão sob outras circunstâncias a partir de janeiro, se nada acontecer até a posse de Lula e se os patriotas continuarem ativos.

A dúvida é essa. A estratégia da extrema direita a partir daí seria a intensificação do plano de esculhambar com tudo e parar o país? O fascismo terá forças para tanto?

A extrema direita vai insistir em inviabilizar a circulação de veículos nas cidades e rodovias, mesmo que os riscos possam ser maiores e os ganhos cada vez mais improváveis?

O sentimento imediato de patriotas e manés, depois da posse de Lula, será o de frustração, porque não terão conseguido criar o ambiente propício à intervenção dos militares e ao golpe.

A questão é saber se o golpismo se dedicará a uma nova etapa da tentativa do caos que chegou a ser imaginado nos dias da votação, depois na apuração e mais tarde no ambiente pós-eleição em estradas e diante de quartéis.

Haverá coragem suficiente para continuar amolando, ou a amolação terá cumprido sua missão fracassada?

O “movimento nas casernas”, assim mesmo, no plural, segundo cenário imaginado pelo ministro do TCU João Augusto Nardes, com Bolsonaro ainda no poder, levaria a um desenlace imprevisível.

Sem desenlace agora e com Lula no poder, com que militares Nardes poderia contar para insuflar o conflito social esperado por ele e seus amigos de zap?

Nas estradas, o policiamento ostensivo estará sob novo comando, e o corpo mole do golpismo deixará de prevalecer entre os policiais rodoviários.

Nas cidades, se houver desordem, o governo não deverá ficar entregue à inércia de parte do Ministério Público, das polícias, de governadores e prefeitos e dos comandos militares.

Com Lula empossado, autoridades hoje sem brio continuarão indiferentes às ordens expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes para que o país retome a normalidade?

As instituições continuarão com medo dos militares, mesmo que Lula mude todo o comando das três forças e da chefia da Defesa?

Bolsonaro repetiu, desde o começo do blefe do golpe, que era quem mandava nos generais.

Por insegurança, apresentou-se publicamente como chefe supremo das Forças Armadas em maio de 2020, em março e agosto de 2021 e em junho e julho de 2022.

A partir de janeiro, Bolsonaro não será chefe de nada, talvez nem mesmo de grupos de milicianos.

O chefe das três armas, daqui a cinco segundas-feiras, será Lula, que já foi o comandante supremo de Exército, Marinha e Aeronáutica por oito anos.

Como Lula lidará com os espasmos golpistas de patriotas civis e fardados, de novo como chefe supremo, mas em situação nunca experimentada antes?

O “movimento nas casernas” dos informantes de Nardes e dos oito tios do zap investigados por Alexandre de Moraes irá continuar, mesmo como blefe, ou Lula descobrirá logo que a arruaça foi apenas uma erisipela?

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email