Um governo Temer afundaria o PSDB e elegeria Lula em 2018

A depressão acelerada das condições sociais que virá por aí, se a aventura golpista se consumar, é um fator que tem que ser considerado: com o PSDB associado a Temer só restará o desgaste ainda maior, e a Lula, se não conseguir disputar a eleição de 2018, poderá eleger quem ele quiser

A depressão acelerada das condições sociais que virá por aí, se a aventura golpista se consumar, é um fator que tem que ser considerado: com o PSDB associado a Temer só restará o desgaste ainda maior, e a Lula, se não conseguir disputar a eleição de 2018, poderá eleger quem ele quiser
A depressão acelerada das condições sociais que virá por aí, se a aventura golpista se consumar, é um fator que tem que ser considerado: com o PSDB associado a Temer só restará o desgaste ainda maior, e a Lula, se não conseguir disputar a eleição de 2018, poderá eleger quem ele quiser (Foto: Eduardo Guimarães)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em primeiro lugar, não faz o menor sentido tratar como fato consumado a possibilidade de o Senado afastar a presidente Dilma Rousseff por 180 dias, abrir o processo de impeachment e colocar o vice-presidente Michel Temer na Presidência da República.

Isso pode acontecer? É óbvio que pode. As chances são grandes? São. É certeza que isso acontecerá? Não.

O mais provável é, sim, que os senadores optem por ao menos abrir o processo, o que deixará a presidente Dilma por seis meses olhando para o ar no Palácio da Alvorada. Mas quem acompanha política com olhos de ver sabe que está se consolidando a crença de que mesmo que Temer sobreviva a esses 180 dias do processo contra a antecessora, seu governo pode nem chegar ao fim devido aos seus problemas com a Justiça.

Contudo, neste momento, se não fosse o prejuízo para a democracia que derivaria da materialização do impedimento sem base legal de uma governante eleita legitimamente, em termos de estratégia política seria muito bom que Temer virasse presidente e se mantivesse no cargo até 2018.

Para entender a razão de tal afirmativa basta clicar na imagem abaixo e ler as 19 páginas do documento que o PMDB de Michel Temer divulgou em 29 de outubro do ano passado.

O PMDB de Temer publicou, seis meses atrás, um “programa de governo” para quando o golpe se consumasse, o que retira qualquer dúvida sobre a conspirata de que participam, a quatro mãos, Michel Temer e Eduardo Cunha desde o início do ano passado, quando a Câmara colocou um gangster para dirigir a Casa.

O que o PMDB – ou a tal “fundação Ulisses Guimarães”, ou seja, Temer e Cunha – chama de “programa de governo” é, na verdade, uma proposta sobre medidas econômicas contra a população mais humilde e a favor do grande capital.

Basicamente, o documento prevê, dissimuladamente, privatizações desbragadas culminando com entrega do Pré Sal, terceirização do trabalho assalariado com geração prática de redução de direitos trabalhistas e fim das políticas públicas que têm permitido distribuição de renda e redução da pobreza. Inclusive com pauperização do salário mínimo.

Trata-se, pois, de um programa feito para tirar de pobre e dar para rico.

A mídia prepara um discurso para sustentar esse massacre dos setores mais baixos da pirâmide social. Obviamente que atribuiria a Dilma e ao PT o empobrecimento da população que iria se acelerar crescentemente sob a batuta de Temer.

Contudo, na visão deste que escreve há sinais de que a população começa a perceber que os problemas que o país enfrenta decorrem menos de erros de gestão de Dilma e (muito) mais de sabotagem da economia pela direita através da Operação Lava Jato, que, como muitos já devem ter percebido, após a vitória do impeachment na Câmara entrou em hibernação.

Pesquisa Vox Populi, encomendada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), revela que Lula chega a liderar a corrida eleitoral de 2018 para presidente da República. O ex-presidente aparece com 31% as intenções de voto, com grande vantagem sobre qualquer adversário.

 

Cenário 1

 

Lula – 29%

Marina Silva – 18%

Aécio Neves – 17%

Jair Bolsonaro – 7%

Ciro Gomes – 5%

Ninguém/Branco/Nulo – 16%

NS/NR – 7%

 

Cenário 2

 

Lula – 31%

Marina – 23%

Aécio – 20%

Ninguém/Branco/Nulo – 19%

NS/NR – 7%

Entre dezembro do ano passado e abril deste ano, Aécio caiu 11 pontos percentuais (ele tinha 31% em dezembro e 23% em fevereiro), Marina subiu de 19% em fevereiro para os 23% atuais.

A aprovação ao impeachment de Dilma também caiu nas últimas semanas. Pesquisa Datafolha divulgada há cerca de quinze dias aponta que a taxa favorável ao impeachment dela encolheu de 68% para 61%.

Já o percentual daqueles que são contra o fim antecipado do mandato de Dilma subiu de 27% para 33%. O novo levantamento foi realizado entre os dias 7 e 8 de abril. A pesquisa anterior havia sido realizada nos dias 17 e 18 de março.

A pesquisa também mostrou que agora os eleitores também são contrários à possibilidade de Temer assumir a Presidência. 58% das pessoas se dizem favoráveis ao afastamento dele. Além disso, para 60% Temer deveria renunciar à vice-presidência. É o mesmo porcentual atribuído à Dilma Rousseff.

Diante de uma eventual saída de Dilma e Temer, 79% dos eleitores se dizem favoráveis à realização de novas eleições. Apenas 16% dos entrevistados são contrários a um novo pleito.

A proporção daqueles que acreditam que o governo Temer seria igual ao de Dilma Rousseff oscilou de 38% em meados de março para 37% agora. Já aqueles que esperam uma piora em relação ao governo da petista são 26% dos entrevistados contra 22% da última pesquisa.

Esses números não mudam o fato de que a maioria ainda reprova fortemente Dilma, Lula e o PT, mas mostram duas coisas:

1 – Apesar da artilharia contra os petistas e da aprovação do impeachment na Câmara, em vez de a imagem deles piorar ela está melhorando;

2 – Terá vida curta o discurso que pretende empurrar para os petistas a responsabilidade eterna pelo desastre social que sobrevirá da aprovação do programa peemedebista “ponte para o futuro”.

A degradação das condições de vida dos brasileiros será mais pronunciada a partir do hipotético governo Temer por conta não apenas das políticas públicas, mas, também, devido ao fato de que o golpe impedirá o fim da crise política.

Claro que a situação de alta do desemprego iria dificultar, inicialmente, a eclosão de greves, mas o aumento da carestia e a supressão acelerada de direitos trabalhistas trabalharia em sentido diametralmente oposto.

Além disso, como já se sabe o PSDB pretende se associar formalmente a essa aventura golpista, indicando ministros. Quem se associa a tal enormidade haverá de ter dificuldade em abandonar o barco quando ele começar a afundar.

Está sendo preparada uma festança pseudo democrática para comemorar a provável – porém, ainda não inevitável – materialização do golpe. Frases de efeito do governo “de facto” tentariam criar um clima de “agora, sem Dilma, vai”.

Falta combinar com os russos.

A depressão acelerada das condições sociais que virá por aí, se a aventura golpista se consumar, é um fator que tem que ser separado, neste ponto, e colocado na prateleira para uso antes que o texto termine.

O que ocorre é que entre a militância pró governo há um clima de frustração que tem lá suas justificativas, mas que, mais uma vez, vai de encontro ao meu ponto de vista. Anteriormente, julguei que a situação era mais difícil do que parecia, mas, neste momento, julgo que as previsões catastróficas que estão sendo feitas sobre o pós golpe são exageradas e não deverão se materializar por conta daquele fator que coloquei na prateleira para uso posterior.

Preveem que Lula não conseguirá disputar a eleição de 2018 porque, sabendo de sua força política, tratarão de prendê-lo sob alguma desculpa ou de condená-lo sumariamente para que caia na lei da “ficha limpa”, impedindo-o de se candidatar.

O pânico é ainda maior. Muitos acreditam que, tal qual ocorreu após o golpe de 1964, as eleições previstas para daqui a dois anos não se realizarão. E que talvez o país só retorne à democracia em 2022.

Vamos, então, buscar aquele pote de esperança que coloquei na prateleira. Abrindo-o, encontramos um remédio eficaz para tentações autoritárias: trata-se de uma substância democrática conhecida como POVO.

Enquanto a ditadura implantada em 1964 conseguiu manter o povo esperançoso com o “milagre econômico”, foi fácil fazer esse povo se conformar com a falta de eleições, com a falta de democracia. Mas não há regime que segure o povo quando este se revolta.

As manobras da ditadura no Legislativo conseguiram impedir a volta da democracia por algum tempo quando o povo passou a exigi-la (Diretas Já), mas foi por muito pouco tempo. E isso ocorreu em um regime autoritário assumido, em uma ditadura violenta que prendia e matava quem quisesse sem julgamento, sem juiz, sem júri.

Não chegamos a tanto. O Brasil não poderá abrir mão da democracia nesse nível. O regime afundaria sob pressão interna e externa. Não há mais espaço para abolir eleições.

Podem prender ou impedir Lula? Talvez. Se o Judiciário chegar a esse ponto, porém, com o povo querendo Lula, podem ter certeza de que ele elegerá em seu lugar quem quiser. De novo. Bastará que a maioria se convença lá adiante de que tudo que está acontecendo hoje foi um golpe, foi sabotagem para tirar do poder um governo popular e colocar um governo para ricos.

Não se desespere, não desacredite da democracia, não perca fé na verdade. Há mais de uma década que escrevo regularmente nesta página que a verdade é uma força da natureza como o vento ou a chuva. Tentar contê-la é como tentar reter água entre mãos em concha. A verdade escapa por entre os dedos de quem tenta contê-la.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247