Uma política de pés de barro

Pobre de um país que enveredou por semelhantes e catastróficos desatinos! As energias da existência, felizmente, não se erguem contra nós. Há improvisos, talentos para encontrar saídas, gente de qualidade nos confrontos entre as propostas, enquanto, a cada dia, definimos o que nos importa na seleção do que interessa e do que devemos descartar

www.brasil247.com -
(Foto: Agência Brasil)


Avocar leis inexistentes e usar agressividade para afirmar pontos de vista, no espaço da democracia política, pega mal. São estratégias de pés de barro. Sustentam-se por algum tempo, intimidando as pessoas, para logo cair na desmoralização dos dirigentes. O povo pode parecer bobo. Nunca, no entanto, por muito tempo. Logo percebe a diferença entre a verdade e a ficção. O próprio encaminhamento dos debates basta, frequentemente, para separar o joio do trigo. Estão nesta linha os discursos de Braga Netto, o Ministro da Defesa, em Resende, para jovens ingressados na carreira militar, e os desabafos de Bolsonaro cada vez que algo lhe desagrada. Ambos, em tal plano, caminham sobre o fio da navalha, o primeiro defendendo as Forças Armadas com conceitos que não se amparam na Constituição; e o segundo, com suas diatribes contra os ministros do Supremo, quando o que lhe chega deles não corresponde aos seus interesses.

A democracia representativa promove, como não se ignora, diversas maneiras de atuação, umas fantásticas, corajosas, militantes e belas no contexto da sua atualidade. E outras, gritantes, mal ajustadas, pobres de espírito, sem consistência e prontas para se diluir às primeiras brisas da manhã. Na CPI da Covid, circulam exemplos destas particularidades, dependendo dos talentos em foco no calor das informações. Ao analista, chama a atenção, em contraste com as monótonas canções inconformadas de um senador do Rio Grande do Sul ou da fragilidade das delicadezas apenas para constar do representante de Santa Catarina, a elegância e a firmeza de Alessandro Vieira, de Sergipe. Ele não perde a calma, mesmo em momentos de indignação. Em vez disso, argumenta, amparado na verdade. Não há moleza nos seus exercícios de retórica: há convicção e apoio nos documentos, com a inevitável dedução em favor de formas de continuar. Depoentes tiram proveito, muitas vezes, do modo como se desdobram os argumentos. Com ele, não. É preciso, lúcido, inteligente. 

Nada parece mais diverso disso no que ocorre nos corredores do poder. Na residência oficial, já imaginamos a fúria pelas contrariedades transbordando pelos jardins e estrangulando as emas, se elas não fugirem a tempo. Em seu comportamento, essas aves não se revelam muito diferentes do que se passa com a população. O político que atingiu o seu alto cargo através do voto, na liturgia em vigor, reclama a cada instante contra as descobertas da CPI, pelas mãos de Omar Aziz, Randolfe Rodrigues e Renan Calheiros, para não mencionar mais uma vez Alessandro Vieira ou a bancada feminina, com destaque para Eliziane Gama ou Simone Tebet. Nelas antevê as avalanches que se anunciam pela frente. Medidas afirmativas já não se colocam em suas mãos; recorre às ameaças... de punir ministros do Supremo, como se isso dependesse de suas manobras, antes de um golpe de Estado para a imposição de uma ditadura. Na visão apocalítica e paranoica que o aflige, as armas se acham a seu lado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pobre de um país que enveredou por semelhantes e catastróficos desatinos! As energias da existência, felizmente, não se erguem contra nós. Há improvisos, talentos para encontrar saídas, gente de qualidade nos confrontos entre as propostas, enquanto, a cada dia, definimos o que nos importa na seleção do que interessa e do que devemos descartar. As esperanças permanecem a favor da sensatez, das manifestações de alegria, contra os apelos da morte. Não devemos perder a cabeça. Que o faça quem já não a tem sobre o pescoço...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email