AGU recorre ao STF para que Bolsonaro não preste depoimento presencial

No recurso, a AGU pede a reconsideração da decisão de Celso de Mello ou que a determinação de depoimento presencial seja suspensa, até que o recurso seja julgado pelo STF

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou nesta quarta-feira, 16, recurso no Supremo Tribunal Federal pedindo que o plenário da Corte decida se Jair Bolsonaro pode prestar depoimento por escrito no inquérito em que é suspeito de interferir na Polícia Federal

O recurso questiona decisão do ministro Celso de Mello, que determinou que o depoimento seja presencial. Segundo a CNN Brasil, o advogado-geral José Levi ainda defende que o recurso deve ser analisado o mais rápido possível, pois o governo recebeu nesta quarta-feira da Polícia Federal intimação para que Bolsonaro seja interrogado, podendo escolher entre as seguintes datas: 21, 22 ou 23 de setembro de 2020, às 14 horas.

Um dos precedentes do Supremo usados pela Advocacia-Geral da União (AGU) foi a decisão tomada em 2017, pelo ministro Luís Roberto Barroso, ao permitir que o então presidente Michel Temer apresentasse esclarecimentos por escrito sobre uma investigação envolvendo irregularidades no setor portuário.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247