AGU recorre ao STF para que Bolsonaro não preste depoimento presencial

No recurso, a AGU pede a reconsideração da decisão de Celso de Mello ou que a determinação de depoimento presencial seja suspensa, até que o recurso seja julgado pelo STF

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou nesta quarta-feira, 16, recurso no Supremo Tribunal Federal pedindo que o plenário da Corte decida se Jair Bolsonaro pode prestar depoimento por escrito no inquérito em que é suspeito de interferir na Polícia Federal

O recurso questiona decisão do ministro Celso de Mello, que determinou que o depoimento seja presencial. Segundo a CNN Brasil, o advogado-geral José Levi ainda defende que o recurso deve ser analisado o mais rápido possível, pois o governo recebeu nesta quarta-feira da Polícia Federal intimação para que Bolsonaro seja interrogado, podendo escolher entre as seguintes datas: 21, 22 ou 23 de setembro de 2020, às 14 horas.

Um dos precedentes do Supremo usados pela Advocacia-Geral da União (AGU) foi a decisão tomada em 2017, pelo ministro Luís Roberto Barroso, ao permitir que o então presidente Michel Temer apresentasse esclarecimentos por escrito sobre uma investigação envolvendo irregularidades no setor portuário.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email