CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasil

Ao contrário do que diz Bolsonaro, governo teve até hoje pelo menos cinco casos de suspeita de corrupção

Investigações ou denúncias foram feitas sobre possíveis esquemas envolvendo o Incra, o MEC, o Ministério do Meio Ambiente, a compra da Covaxin e obras da Saúde no Rio de Janeiro

(Foto: Instagram/Projetemos)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Jair Bolsonaro (PL) repete sem se cansar que seu governo até hoje não foi denunciado nenhuma vez por corrupção. Não é verdade. Levantamento do jornal O Globo contabiliza ao menos cinco casos que motivaram investigações ou denúncias para órgãos de controle sobre possíveis esquemas de corrupção ligados ao governo federal.

O mais recente episódio envolve o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O advogado Marconi Gonçalves, ex-superintendente do instituto no Maranhão, afirmou à Polícia Federal que recebeu um pedido de propina logo após tomar posse. A proposta teria sido feita na porta da sede do órgão pelo lobista Pablo Said. "Ele chegou e disse para mim: que muitas casas seriam construídas no Maranhão, e ele tinha interesse na construção dessas casas. E que se eu pudesse de alguma forma ajudá-lo, que não mexesse na equipe. Resumindo, ele disse: 'Olha, rapaz, vamos fazer o seguinte: aqui todo mundo ganha o seu, e você não vai ficar do lado de fora. Eu te dou 10%'".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Outro caso ainda fresco na memória diz respeito às negociações de compra da Covaxin, vacina contra Covid-19. O Ministério da Saúde empenhou R$ 1,6 bilhão para comprar o imunizante, no contrato mais rápido e com doses mais caras. Mesmo alertado sobre um esquema de corrupção envolvendo a compra, Bolsonaro não tomou nenhuma providência. O caso é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) e foi alvo de apuração por parte da CPI da Covid.

Também na área da Saúde, o governo conta com um escândalo sobre o pagamento, sem licitação, de R$ 30 milhões em obras em prédios do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro. O dinheiro foi empenhado em ritmo de urgência, sob a justificativa da pandemia. O valor só não foi gasto porque a Advocacia Geral da União (AGU) identificou indícios de irregularidades e cancelou os repasses.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Outro caso recente envolve o Ministério da Educação, então chefiado por Milton Ribeiro. Revelou-se que no MEC havia um gabinete paralelo comandado por pastores, que facilitavam agenda de prefeitos com o então ministro da Educação diante do pagamento de propinas. 

No Ministério do Meio Ambiente voltaram-se para o ex-ministro Ricardo Salles os holofotes. Ele foi alvo de uma operação da PF que investigava se funcionários do ministério e do Ibama favoreciam indevidamente empresas que atuam no contrabando de madeira. Salles pediu demissão diante do caso e o inquérito saiu do Supremo Tribunal Federal (STF) e foi enviado para a Justiça Federal do Pará.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO