Dino vai à Justiça contra Eduardo Bolsonaro por fake news sobre visita a comunidade no Rio

Ministro afirmou que na próxima segunda-feira entrará com ações contra o deputado

Eduardo Bolsonaro e Flávio Dino
Eduardo Bolsonaro e Flávio Dino (Foto: Walterson Rosa/MS | Felipe L. Gonçalves/Brasil247)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, anunciou que tomará as medidas cabíveis contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), que espalhou uma fake news a respeito da visita do membro do governo Lula a uma comunidade no Rio de Janeiro. 

Eduardo, que é filho de Jair Bolsonaro, associou, sem fundamento algum, Dino ao crime organizado por visitar o Complexo da Maré, conjunto de favelas da Zona Norte do Rio de Janeiro.

continua após o anúncio

"Flávio Dino, o ministro que entra na Maré, complexo de favelas mais armado do Rio, com apenas 2 carros e sem trocar tiros. Vamos convocá-lo na Comissão de Segurança Pública para explicar o nível de envolvimento dele e seu chefe, Lula, com o crime organizado carioca. Isto é um absurdo!", disparou Eduardo Bolsonaro em suas redes sociais, na quarta-feira (15).

Dino havia respondido afirmando que não tem medo de "milicianinhos", em referência ao deputado federal e às associações dos Bolsonaros com as milícias. 

continua após o anúncio

Agora o ministro decdiu ir à Justiça contra as fakes de Eduardo. Ele afirmou que na próxima segunda-feira entrará com ações.

"A princípio, nem cogitei entrar com representações porque essa gente não merece muita atenção. Mas fiz uma reflexão quanto à agressão a milhares de pessoas sérias e honestas que, só por serem pobres, estão sendo estigmatizadas de modo vil e covarde. Em primeiro lugar, há racismo. Além disso, há quebra de decoro, porque é uma mentira deslavada que fui me reunir com os chefes do tráfico. A outra mentira delirante é que estava sem proteção policial", disse Dino, ao UOL.

continua após o anúncio

"Essa gente vai em campanha eleitoral à favela da Maré e a outras pedir voto. Depois, diz que quem vai lá é amigo de bandido, como se todos os moradores fossem bandidos. Isso é execrável, hediondo, asqueroso. É inadmissível. Essas pessoas têm que respeitar o povo pobre do país. Temos que nos perguntar sempre se essa gente vai ter auditório para prorrogar esse método fascista de manipulação de fatos para alcançar seus intentos políticos". 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247