Documento da AGU prova que governo soube 10 dias antes do colapso de oxigênio em Manaus

Em reuniões do secretariado do ministério da Saúde, realizadas entre 3 e 4 de janeiro, foi constatada a "possibilidade iminente de colapso do sistema de saúde, em dez dias, o que pode provocar aumento da pressão sobre o sistema, entre o período de 11 a 15 de janeiro", afirma o documento

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou um ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF), seguindo determinação do ministro Ricardo Lewandowski, revelando que o governo federal sabia do iminente colapso do sistema de saúde no Amazonas 10 dias antes da crise.

O ministério relata reuniões do secretariado do ministério da Saúde, realizadas entre 3 e 4 de janeiro, onde foi constatada a "possibilidade iminente de colapso do sistema de saúde, em dez dias, o que pode provocar aumento da pressão sobre o sistema, entre o período de 11 a 15 de janeiro", diz o documento.

O texto afirma também que "o Ministério da Saúde não havia sido informado da crítica situação do esvaziamento de estoque de oxigênio em Manaus, ciência que apenas se operou em 8 de janeiro, por meio de e-mail enviado pela empresa fabricante do produto".

No assunto da mensagem, enviada pela White Martins, estava "o aumento do consumo dos gases medicinais durante a pandemia da Covid 19, sugestão de plano de contingência", reporta o G1.

Isento desde o ano passado, o governo Bolsonaro decidiu aumentar os impostos sobre cilindros de oxigênio poucos dias antes da crise no Estado.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email