CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Brasil

Governo já apresentou três versões para tentar explicar suspeitas em contrato para compra da Covaxin

Versões foram apresentadas pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, senador Jorginho Mello e pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho

(Foto: Reuters | PR | Agência Senado)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Desde que as denúncias envolvendo irregularidades no contrato para a compra da vacina indiana Covaxin - feitas pelo servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda e por seu irmão, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) - vieram à tona, o governo Jair Bolsonaro já apresentou ao menos três versões diferentes para tentar justificar a operação. 

A primeira versão foi apresentada pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni. Ele negou a existência de irregularidades no contrato e defendeu a gestão do então ministro Eduardo Pazuello à frente da pasta. Lorenzoni também acusou os irmãos Miranda de terem mentido e ressaltou que os documentos apresentados por eles à CPI da Covid haviam sido adulterados. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No dia 24, o senador governista Jorginho Mello (PL-ES), que integra a base governista na CPI, afirmou que Jair Bolsonaro teria levado as denúncias apresentadas a ele pelos irmãos Miranda ao conhecimento do então ministro da Saúde Eduardo Pazuello. “Não foi adquirido nada, não foi pago um real. O presidente da República determinou, quando soube (das denúncias sobre irregularidades no contrato), entre diversos assuntos que esse deputado foi tratar, falou alguma coisa, e o presidente falou com o ministro Pazuello para verificar. Como não tinha nada de errado, a coisa continuou”, afirmou o parlamentar na ocasião.

Nesta terça-feira (29), o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou durante sessão da CPI, que Bolsonaro teria determinado que Pazuello apurasse o caso no dia 22 de março, um dia antes de sua exoneração do cargo. Ainda segundo ele, Pazuello teria determinado ao então secretário-executivo, Elcio Franco, que as denúncias fossem investigadas. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO