Mais uma farsa da Lava Jato: PF registrou depoimento de testemunha que sequer foi ouvida

"Ela entendeu que era pedido nosso e lavrou termo de depoimento como se tivesse ouvido o cara, com escrivão e tudo, quando não ouviu nada...", afirmou Deltan Dallagnol em referência à delegada Erika Marena durante uma conversa com Orlando Martello Júnior. "A culpa maior é nossa, fomos disciplicentes", disse Martello. Os diálogos estão em nova petição apresentada pela defesa de Lula ao STF

Deltan Dallagnol e a delegada Erika Marena
Deltan Dallagnol e a delegada Erika Marena (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil - Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em nova petição apresentada pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (22), ficam evidentes novas ilegalidades cometidas pela Lava Jato. Procuradores da operação em Curitiba (PR) afirmaram, em diálogos, que a delegada da Polícia Federal Erika Marena lavrou o termo de depoimento de uma testemunha sem que ela tivesse sido ouvida.

Em uma conversa no dia 26 de janeiro de 2016, o procurador Deltan Dallagnol afirmou ao também procurador Orlando Martello Júnior: "Como expõe a Erika: ela entendeu que era pedido nosso e lavrou termo de depoimento como se tivesse ouvido o cara, com escrivão e tudo, quando não ouviu nada... DPFs [delegado da polícia federal] são facilmente expostos a problemas administrativos". O teor das conversas foi publicado pela coluna de Mônica Bergamo.

"Podemos combinar com ela [Erika] de ela nos provocar diante das notícias do jornal para reinquiri-lo ou algo parecido", respondeu Martello. "Podemos conversar com ela e ver qual estratégia ela prefere. Talvez até, diante da notícia, reinquiri-lo de tudo. Se não fizermos algo, cairemos em descrédito. O mesmo ocorreu com padilha e outros. Temos q chamar esse pessoal aqui e reinquiri-los. Já disse, a culpa maior é nossa. Fomos displicentes!!! Todos nós, onde me incluo. Era uma coisa óbvia q não vimos. Confiamos nos advs e nos colaboradores. Erramos mesmo!", acrescentou.

"Concordo", responde Dallagnol. "Mas se o colaborador e a defesa revelarem como foi o procedimento, a Erika pode sair muito queimada nessa... pode dar falsidade contra ela... isso que me preocupa".

Erika Marena foi a delegada responsável pela operação que perseguiu reitores em Santa Catarina, prendendo ilegalmente Luiz Carlos Cancellier, então reitor da UFSC e que se suicidou depois de uma humilhação pública com acusações de corrupção na universidade. Em 2018, ela foi convidada por Sérgio Moro para integrar a equipe dele no Ministério da Justiça. Depois da saída dele, acabou exonerada.

Na petição encaminhada ao STF, a defesa do ex-presidente Lula apontou uma "gravíssima realidade" nas conversas dos procuradores de Curitiba. "Além de terem praticado inúmeras ilegalidades contra o aqui reclamante [Lula[, a construção de um cenário em que ele ocuparia a liderança máxima de uma afirmada organização criminosa envolveu o uso contumaz de depoimentos que jamais existiram", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email