Manifesto contra corrupção é da elite da PF

Texto divulgado hoje pela Associao dos Delegados da Polcia Federal direto, objetivo e certeiro: Qualquer criminoso tem como primeira providncia desqualificar o trabalho policial; registra; "padrinhos de criminosos sempre ficam 'estarrecidos'"; por Claudio Julio Tognolli



Claudio Julio Tognolli_247 - Pela primeira vez, desde que, em outubro de 2003, a PF deflagrou sua primeira grande operação, a Anaconda, uma entidade de classe da elite da corporação (os delegados) saiu a público para criticar o governo. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal divulgou nota em que ressalva: “após ser preso, qualquer criminoso tem como primeira providência tentar desqualificar o trabalho policial. Quando ele não pode fazê-lo pessoalmente, seus amigos ou padrinhos assumem a tarefa em seu lugar”.

A entidade atira na testa do governo Dilma, sem meias-palavras -- o que leva àquela indagação bifronte ainda não respondida por ninguém: a PF foi enganada pelo Ministério da Justiça, no caso da Operação Voucher, ou o Ministério da Justiça terá enganado, pelo pecado da omissão, a presidente Dilma Rousseff?

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal lamenta “que no Brasil a corrupção tenha atingido níveis inimagináveis; altos executivos do governo, quando não são presos por ordem judicial, são demitidos por envolvimento em falcatruas”. Prosseguem que “milhões de reais - dinheiro pertencente ao povo - são desviados diariamente por aproveitadores travestidos de autoridades. E quando esses indivíduos são presos, por ordem judicial, os padrinhos vêm a publico e se dizem ‘estarrecidos com a violência da operação da Polícia Federal’. Isto é apenas o início de uma estratégia usada por essas pessoas com o objetivo de desqualificar a correta atuação da polícia. Quando se prende um político ou alguém por ele protegido, é como mexer num vespeiro”.

Aqui cabe uma explicação: sabe-se que, desde fevereiro passado, por ordem expressa de Dilma, a Polícia Federal não pode realizar nenhuma operação sem a assinatura do secretário-executivo do Ministério da Justiça, que se enquadre em duas tecnicalidades: que tenha mais de dez agentes para cumprir mandados de busca e apreensão, ou que emprege qualquer número de agentes que tenham de se deslocar de sua base, em viagens, por mais de dez dias. A alegação era falta de verbas para as mega-operações: mas Dilma, presciente, em verdade tentava ter o mínimo controle sobre as operações da PF –para não levar tiros no pé, como sucedeu na Operação Voucher.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente Lula tinha estratagema diferente: todo o santo dia, ao meio-dia e meia, ele se reunia com o general Jorge Félix, eventualmente com o ministro-chefe da Casa Civil, e sempre com o diretor da Abin, para tomar pé das ações “anti-governo” que viriam ou da PF, ou da mídia. Quando o diretor da Abin sinalizava que sabia-se de uma grande da operação da PF, que arranharia o alto escalão petista, Lula, imediato e incontinenti, desconectava a “nave-mãe” (o núcleo duro governamental) do investigado: que caía ao sabor da mídia, algemado – a que seguiam-se declarações de Lula, ou de seus ministros da Justiça, em prol da “PF republicana”, que “cortava a própria carne”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vejamos um trecho de Lula, verberado a 14 de junho de 2005, na abertura do IV Fórum Global de Combate à Corrupção, em Brasília. “Tenho nos meus ombros responsabilidades que vão mais além da preservação das instituições. (...) Tenho, ademais, uma biografia a preservar, um patrimônio moral, uma história de décadas em defesa da ética na política. Por isso, não iremos acobertar ninguém, seja quem quer que seja que esteja envolvido', afirmou o presidente. “'Cortaremos na própria carne se necessário', disse, após citar a demissão da diretoria da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e do Brasil Resseguros (IRB) como exemplos da seriedade com que o governo vê o combate à corrupção. “Determinei aos ministros uma solução definitiva para os problemas envolvendo os Correios e o Instituto de Resseguros do Brasil, resultando no afastamento dos diretores de ambas instituições, sem prejuízo da continuidade das investigações”, completou Lula, referindo-se a processos de sindicância internos e às investigações da Polícia Federal, do Ministério Público e da Controladoria Geral da União. “'Independentemente do uso político-eleitoral que alguns estão fazendo, no meu governo levarei as investigações até as últimas conseqüências. Por isso jurei a Constituição. Sou o principal guardião das instituições deste país, funcionário público número 1”.

A carta dos delegados deixa bem claro que nunca, no governo Lula, houve tamanho descontentamento como o que ora de processa. Sem meias-palavras, a Associação dos Delegados da PF faz referência clara, mas não literal, à Operação Voucher. “A providência logo adotada visa desviar o foco das investigações e investir contra o trabalho policial. Em tempos recentes, esse método deu tão certo que todo um trabalho investigatório foi anulado. Agora, a tática volta ao cenário. Há de chegar o dia em que a história será contada em seus precisos tempos. De repente, o uso de algemas em criminosos passa a ser um delito muito maior que o desvio de milhões de reais dos cofres públicos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A carta prossegue assim: “A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal colocará todo o seu empenho para esclarecer o povo brasileiro o que realmente se pretende com tais acusações ao trabalho policial e o que está por trás de toda essa tentativa de desqualificação da atuação da Polícia Federal.

A decisão sobre se um preso deve ser conduzido algemado ou não é tomada pelo policial que o prende e não por quem desfruta do conforto e das mordomias dos gabinetes climatizados de Brasília.

É uma pena que aqueles que se dizem "estarrecidos" com a "violência pelo uso de algemas" não tenham o mesmo sentimento diante dos escândalos que acontecem diariamente no país, que fazem evaporar bilhões de reais dos cofres da nação, deixando milhares de pessoas na miséria, inclusive condenando-as a morte”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os delegados são pontuais: referem que “no Ministério dos Transportes, toda a cúpula foi afastada. Logo em seguida, estourou o escândalo na Conab e no próprio Ministério da Agricultura. Em decorrência das investigações no Ministério do Turismo, a Justiça Federal determinou a prisão de 38 pessoas de uma só tacada. Mas a preocupação oficial é com o uso de algemas. Em todos os países do mundo, a doutrina policial ensina que todo preso deve ser conduzido algemado, porque a algema é um instrumento de proteção ao preso e ao policial que o prende”.

Só para lembrar: as operações da PF aumentaram quinze vezes durante o governo Lula. Pularam, por exemplo, de 16 em 2003 para 143 até agosto de 2009. De 2003 para 2010, o número de funcionários da PF pulou de 9.231 para 14.575, um crescimento de 58%. Lula botou nas ruas, na maioria das vezes sob o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, 1.244 operações, o que representa 25 vezes mais do que as 48 tocadas pela PF no governo Fernando Henrique Cardoso.

Os delegados ora confessam sentir saudades do ex-ministro da Justiça de Lula, MTB, maior cacique da “PF republicana” -- e que, após ter saído do governo, atacou operações que ele ajudou a conceber, como a Castelo de Areia e a Satiagraha (o doutor Márcio defendeu a Camargo Corrêa na primeira e passou a defender Pérsio Arida da segunda).

Encerram os delegados “Quanto às provas da culpabilidade dos envolvidos, cabe esclarecer que serão apresentadas no momento oportuno ao Juiz encarregado do feito, e somente a

ele e a mais ninguém. Não cabe à Polícia exibir provas pela imprensa. A ADPF aproveita para reproduzir o que disse o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos: "a Polícia Federal é republicana e não pertence ao governo nem a partidos políticos".

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email