Moro confronta Bolsonaro e autoriza uso da Força Nacional pelo Ministério da Saúde

O ministro Sérgio Moro (Justiça) elaborou uma portaria que autoriza o emprego da Força Nacional de Segurança Pública para dar apoio ao Ministério da Saúde nas ações de combate ao coronavírus. A portaria é lançada no contexto de uma confrontação cada vez maior entre ele e Jair Bolsonaro quanto ao combate à epidemia. Moro está aliado ao ministro Luiz Mandetta (Saúde)

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro
Sérgio Moro e Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, elaborou uma portaria que autoriza o emprego da Força Nacional de Segurança Pública para dar apoio ao Ministério da Saúde nas ações de combate ao novo coronavírus. A medida é lançada no contexto de uma confrontação cada vez maior entre o ex-juiz e Jair Bolsonaro quanto ao combate à epidemia. Moro está aliado ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e também é favor do isolamento social, diferentemente de Bolsonaro.

A decisão sobre o emprego da força vale até o dia 28 de maio, podendo ser prorrogada e ficará a cargo do Ministério da Justiça em acordo com os estados ou municípios.

A medida tem como objetivos dar segurança no funcionamento de centros de saúde (hospitais, UPAs, etc), bem como na distribuição e armazenamento de itens médicos, farmacêuticos, de higiene e alimentícios. Também visa garantir segurança e auxílio no controle sanitário em portos, aeroportos, rodovias e centros urbanos.

A portaria prevê, ainda, que a Força Nacional atue na "aplicação das medidas coercitivas [com efeito de reprimir]" estabelecidas na lei de combate ao coronavírus que permite tornar obrigatória a realização de exames médicos e testes laboratoriais, que trata de quarentena e isolamento.

O texto do ministério faz referência à lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020 e à portaria interministerial nº 5, de 17 de março de 2020. A lei é referente às medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública por conta do novo vírus. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247