Pesquisa aponta que idosos, evangélicos e ricos são os que mais acreditam nas mentiras de Bolsonaro sobre coronavírus

Pesquisa Quaest, divulgada pelo professor universitário, Bruno Carazza,, aponta que “o sentimento de que a imprensa estaria exagerando é significativamente mais alto entre os eleitores que aprovam a administração de Bolsonaro”

Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente ao Palácio do Planalto durante manifestação, já em meio à epidemia do coronavírus
Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente ao Palácio do Planalto durante manifestação, já em meio à epidemia do coronavírus (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - Pesquisa Quaest, divulgada pelo Colunista no Valor Econômico e professor universitário, Bruno Carazza, em sua conta do Twitter, nesta quarta-feira (1), revela que Idosos, evangélicos e ricos são os que mais acreditam nas mentiras de Bolsonaro sobre coronavírus.

De acordo com os dados do levantamento, o jornalista afirma que “a estratégia de comunicação de Bolsonaro é eficiente na mobilização de seu eleitorado. A mensagem de que a imprensa estaria exagerando na cobertura da crise do coronavírus se dissemina entre os grupos de apoio do presidente”.

Para o jornalista, “o sentimento de que a imprensa estaria exagerando é significativamente mais alto entre os eleitores que aprovam a administração de Bolsonaro”.

Leia a íntegra na Fórum. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247