Polícia deflagra operação contra grupo que usava foto de ministros para aplicar golpes pelo WhatsApp

As vítimas eram principalmente integrantes de órgãos governamentais

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus ministros
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus ministros (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Nesta quarta-feira (5), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) iniciou a Operação Shark Attack, em conjunto com a Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) e a 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). O objetivo é combater um grupo que se especializou em estelionato virtual, usando a imagem de ministros dos governos de Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), além de presidentes de partidos, informa o Metrópoles.

Os criminosos criavam perfis falsos no aplicativo de mensagens WhatsApp, com fotos de políticos do alto escalão do Poder Executivo, e convenciam as vítimas, principalmente integrantes de órgãos governamentais, a transferir dinheiro, que era distribuído para outras contas. Entre os políticos que tiveram sua imagem usada estão os ministros Carlos Lupi (Previdência), Carlos Fávaro (Agricultura), Wellington Dias (Desenvolvimento e Assistência Social) e Camilo Santana (Educação), o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, o senador Jaques Wagner (PT-BA) e o presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho.

continua após o anúncio

Durante a busca e apreensão, os policiais descobriram que os criminosos operavam a partir de uma central de distribuição de sinal clandestina em uma comunidade de Jaboatão dos Guararapes. Lá, foram encontrados diversos equipamentos de informática ligados à central de distribuição de sinal de internet pirata, que serão periciados. O principal suspeito da investigação conseguiu fugir.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247