Sem acordo, grevistas multiplicam protestos

Enquanto não há acordo sobre reivindicações, servidores intensificam manifestações no País; ontem, policiais federais trocaram passeatas por doação de sangue e planejam operação-padrão para amanhã no Aeroporto de Guarulhos; eles se reúnem hoje com o governo

Sem acordo, grevistas multiplicam protestos
Sem acordo, grevistas multiplicam protestos (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Os servidores federais têm não só mantido, mas intensificado as paralisações no País enquanto o governo avalia as reinvindicações de reajustes salariais e formação de carreira das categorias. Um grupo de policiais federais, uma das mais de 30 categorias que estão em greve, trocou as manifestações nesta terça-feira por doação de sangue no Hospital das Clínicas, em São Paulo. O ato simbólico visa mostrar que mesmo diante dos problemas, a corporação tem como objetivo servir bem a população. Um cartaz na manifestação dizia: "Mesmo em greve damos o sangue pelo Brasil".

Nesta quinta-feira, o plano dos agentes, que iniciaram as paralisações no último dia 7, é realizar operação-padrão no aeroporto de Guarulhos, às 16h30. Segundo a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal, o movimento faz parte do calendário de atividades do "Mude PF", que conta também com a participação de peritos e administrativos, em todos os Estados. Uma assembleia geral convocada hoje pela categoria irá definir os próximos passos da entidade, como se haverá paralisações nos dias 22, 23, 28 e 29, com indicativo de greve por tempo indeterminado a partir de 30 de agosto, caso não haja negociação com o governo.

Em reunião realizada nesta terça-feira entre representantes do Ministério do Planejamento e da Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal), não houve acordo. Os policiais federais estão reunidos hoje com representantes do governo. A entidade pede a equiparação salarial de cerca de 500 mil servidores de nível superior, de 18 setores, dentre eles funcionários da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), das Forças Armadas, do Sistema Único de Saúde (SUS) e outros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email