Tabet abandona Ciro e declara voto em Lula no primeiro turno

“O Brasil de Bolsonaro é o pior dos maus exemplos. É um exemplo mau. Ameaça a paz, a segurança, as instituições, as minorias e a democracia”, justificou

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução | Ricardo Stuckert)


247 - Comediante, ator e fundador do Porta dos Fundos, Antônio Tabet abandonou o apoio a Ciro Gomes (PDT) para apoiar a candidatura do ex-presidente Lula (PT) contra Jair Bolsonaro (PL) nas eleições. Tabet escreveu um fio no Twitter, destacando a necessidade de derrotar o atual presidente.

Confira

Se, há alguns anos, Gregório Duvivier me dissesse que eu apoiaria o Lula no futuro, eu diria que ele enlouqueceu. Por outro lado, se eu dissesse pro Gregório que Lula seria novamente candidato, com o Alckmin de vice e apoiado pela Marina, ele diria que eu enlouqueci.

O fato é que nem eu, nem ele, nem Alckmin e tampouco Marina enlouquecemos. Quem enlouqueceu foi o país.

O Brasil, ditado por um louco, descarrilhou. Porque Jair Bolsonaro não é um lunático de devaneios ou ausências. Jair Bolsonaro é sádico, perverso, inconsequente.

Derrotar Bolsonaro de forma categórica não é para evitar falsas alegações de fraude que respingariam em deputados e senadores. Convenhamos: quem acredita em mamadeira de piroca, terra plana e integralista fantasiado de padre acredita em qualquer teoria conspiratória.

Vencer o atual governo de maneira emblemática é compulsório porque expõe o desejo popular de restituir uma identidade perdida. O Brasil, que já foi sinônimo de natureza, da alegria e do Carnaval, hoje, é o país de milícia, de morte e do mal.

A nação precisa de muito, mas não de um senhor de engenho. Precisa de humanidade. Não precisa da crueldade de quem nomeia uma mulher machista para mulheres, um racista para negros, incultos para a cultura, um ecocida para o meio-ambiente e ignorantes para a educação.

Há algum tempo, disse publicamente que votaria em Ciro Gomes a menos que houvesse chance de derrota de Bolsonaro no 1º turno. E há.

Além disso, não pude ignorar uma campanha equivocada, de prioridades questionáveis, que expôs um comediante, meu amigo e meu sócio.

O alvo é outro. Falo com a propriedade de quem foi vítima do primeiro atentado terrorista depois da ditadura. Foram três coquetéis molotov que cercearam a liberdade dos meus filhos diante da negligência de Sérgio Moro. Os autores, extremistas de direita, seguem soltos.

Quem me segue sabe que sempre fui crítico em relação aos governos passados. De Fernando Henrique a Temer. E nunca fiz vista grossa para os escândalos revelados durante os mandatos do PT.

Mas o que está aí hoje não tem comparação. Chegamos ao fundo do poço.

O Brasil nunca foi exemplo de honestidade.

O Brasil nunca foi exemplo de penitência.

O Brasil nunca foi exemplo de educação.

Mas o Brasil de Bolsonaro é o pior dos maus exemplos. É um exemplo mau.  

Ameaça a paz, a segurança, as instituições, as minorias e a democracia.

Em 1994, não votei em Lula.

Em 1998, não votei em Lula.

Em 2002, não votei em Lula.

Em 2006, não votei em Lula.

Em 2022, votarei em Lula.

Afinal, quero continuar votando (ou não votando) em quem eu quiser.

Espero que, se eleito, Lula encare o mandato não como um cheque em branco, mas como oportunidade de repetir acertos e evitar erros. Além, claro, de não governar só para os seus.

Que seja o presidente dos seus, dos meus, de Ciro, Simone e de todos aqui.

E Lula lá.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email