Verba de R$ 1 bilhão de acordo da Petrobrás na Lava Jato foi parar em esquema de corrupção do MEC

Dinheiro do acordo firmado no âmbito da Lava Jato foi para o FNDE, controlado pelo centrão, foco do escândalo do gabinete paralelo formado por pastores no Ministério da Educação

www.brasil247.com -
(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil | Roque de Sá/Agência Senado)


247 - O escândalo de corrupção envolvendo a intermediação de verbas do Ministério da Educação por meio de um gabinete paralelo formado por pastores, que levou à queda do então ministro Milton Ribeiro, ganhou novos contornos com revelação de que R$ 1 bilhão decorrentes de acordos feitos pela Petrobrás no âmbito da Lava Jato foram destinadas às rubricas de “apoio à infraestrutura para a Educação Básica” e “apoio à manutenção da Educação Infantil”.

De acordo com a coluna do jornalista Guilherme Amado, do Metrópoles, em 2019, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou que R$ 1 bilhão, do total de R$ 2,6 bilhões acordados entre a Petrobrás e a Lava Jato, fossem destinados à área de educação por meio do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação, entregue por Jair Bolsonaro ao centrão.  

“Ou seja: dinheiro recuperado da corrupção da Petrobrás na gestão passada foi parar no foco de corrupção da gestão atual”, diz o colunista.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email