Música da África está em alta nas paradas globais, com a ajuda do TikTok

No Spotify, o gênero Afrobeats foi transmitido 13,5 bilhões de vezes em 2022, em comparação com 2 bilhões em 2017

Burna Boy, cantor nigeriano que se tornou-se o primeiro artista africano a esgotar um estádio dos EUA
Burna Boy, cantor nigeriano que se tornou-se o primeiro artista africano a esgotar um estádio dos EUA (Foto: Reuters)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Lisa Richwine

LOS ANGELES (Reuters) - Quando os maiores nomes da música se reunirem no domingo para receber as principais honras do setor no Grammy Awards, eles entregarão um novo troféu para a melhor performance de música africana.

continua após o anúncio

O prêmio reflete a crescente popularidade do Afrobeats e de outras músicas do continente, que estão conquistando um público global com a ajuda de plataformas de mídia social, como o aplicativo de vídeos curtos TikTok.

O Afrobeats se originou na África Ocidental, principalmente em Gana e na Nigéria, embora o termo seja frequentemente usado como um termo abrangente para vários estilos musicais provenientes da África. Apresenta ritmos de percussão misturados com vários gêneros, do rap ao jazz, R&B e outros.

continua após o anúncio

O Afrobeats moderno "tem um ritmo que faz sentir bem", disse Heran Mamo, repórter de R&B e hip-hop da revista Billboard, que criou uma parada de Afrobeats dos EUA em 2022. "É provável que atinja um público mais amplo porque já contém um pouco de tudo para todos."

No Spotify, a música Afrobeats foi transmitida 13,5 bilhões de vezes em 2022, em comparação com 2 bilhões em 2017.

continua após o anúncio

Em outro marco, o cantor nigeriano Burna Boy tornou-se o primeiro artista africano a esgotar um estádio dos EUA quando tocou no Citi Field de Nova York no verão passado.

Os músicos que concorrem ao novo Grammy no domingo incluem Tyla, uma cantora sul-africana de 22 anos. Ela alcançou o top 10 na parada Hot 100 da Billboard com a dançante "Water", um exemplo de um gênero conhecido como amapiano, um som com infusão de jazz e piano.

continua após o anúncio

Um executivo do TikTok na África do Sul notou que Tyla estava ganhando atenção em seu mercado local em 2020 e entrou em contato com ela para dar dicas sobre como maximizar sua presença no aplicativo.

"Water" foi lançado em julho de 2023, depois que Tyla assinou contrato com a Epic Records, da Sony Music Entertainment.

continua após o anúncio

Em setembro, os usuários do TikTok estavam reproduzindo os movimentos de dança de Tyla no #WaterChallenge. Até o momento, 1,5 milhão de vídeos foram criados usando a música, e a hashtag #WaterChallenge foi vista 1,8 bilhão de vezes, de acordo com o TikTok.

"Acho que o TikTok desempenhou o papel de incubadora, mas também de distribuidora para os mais de um bilhão de usuários globais, e isso realmente aconteceu", disse Ole Obermann, diretor global de música do TikTok.

continua após o anúncio

O sucesso de Tyla ilustra o poder do TikTok e do YouTube de ajudar os artistas a encontrar bases de fãs em todo o mundo, um papel antes reservado às gravadoras.

"A proliferação do streaming junto com as novas plataformas de mídia social (por exemplo, TikTok) acelerou a descoberta de artistas e proporcionou novos meios para que os artistas aumentassem suas bases de fãs em todo o mundo", disse Jessica Reif Cohen, analista do Bank of America Securities, em uma nota de pesquisa que prevê as tendências de mídia para 2024.

continua após o anúncio

O TikTok continua polêmico nos Estados Unidos por ser propriedade da empresa chinesa ByteDance, que os críticos consideram um risco à segurança. O governo Biden proibiu o aplicativo em dispositivos do governo dos EUA. Os funcionários do TikTok afirmam que possuem salvaguardas rigorosas e rejeitam as alegações de espionagem dos dados dos usuários.

O aplicativo também está em uma disputa com a Universal Music Group sobre o valor pago pelo uso de músicas de Taylor Swift, Billie Eilish e outros. As músicas de muitos artistas da Universal não estavam disponíveis no TikTok até sexta-feira.

Para os adolescentes dos EUA, o TikTok é a segunda fonte mais comum de descoberta de música, atrás apenas do YouTube, de acordo com uma pesquisa recente da MIDiA Research, que mostrou que 45% dos jovens de 16 a 19 anos encontraram novas músicas por meio da plataforma.

Outros artistas de Afrobeats que encontraram público no TikTok incluem o rapper nigeriano Rema. Ele colaborou com Selena Gomez em um remix de sua música "Calm Down", que alcançou a terceira posição na Billboard Hot 100 em junho passado.

O TikTok está ajudando a criar novas conexões entre artistas americanos e africanos. Obermann disse que tocou um clipe curto de uma música chamada "Ojapiano", do músico nigeriano KCee, para Ryan Tedder, compositor e vocalista da banda OneRepublic.

Tedder gostou tanto do som que imediatamente entrou em contato com KCee, que pegou um avião de Lagos para Los Angeles dois dias depois para que a dupla pudesse fazer um remix da música.

Obermann espera que o remix a ser lançado em breve dê nova vida a "Ojapiano", uma combinação de amapiano e uma flauta sul-africana chamada Oja, e continue alimentando a mania dos Afrobeats.

"Esse será um gênero grande e crescente", disse Obermann.

(Reportagem de Lisa Richwine; edição de Mary Milliken e Jonathan Oatis)

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247