Depressão derruba impostos e Meirelles terá que cortar R$ 50 bi

A depressão econômica provocada por Michel Temer e Henrique Meirelles em 2016, ano em que o Brasil fechará com queda de quase 4% do PIB, se alastrou para 2017; os dados de janeiro já indicam uma arrecadação bem abaixo do previsto, o que sinaliza a continuidade da recessão; com isso, mesmo tendo obtido autorização do Congresso para um rombo fiscal de R$ 143 bilhões, a dupla já terá que cortar R$ 50 bilhões já no início do ano, para não correr o risco de estourá-la; embora a situação fiscal do País tenha sido o pretexto para a deposição da presidente Dilma Rousseff, Temer e Meirelles, prisioneiros da tese de que não se pode aumentar impostos, estão aprofundando o rombo 

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa de fórum político e econômico em São Paulo, Brasil 30/09/2016 REUTERS/Paulo Whitaker
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa de fórum político e econômico em São Paulo, Brasil 30/09/2016 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A depressão econômica provocada por Michel Temer e Henrique Meirelles em 2016, ano em que o Brasil fechará com queda de quase 4% do PIB, se alastrou para 2017.

Os dados de janeiro já indicam uma arrecadação bem abaixo do previsto, o que sinaliza a continuidade da recessão.

Com isso, mesmo tendo obtido autorização do Congresso para um rombo fiscal de R$ 143 bilhões, a dupla já terá que cortar R$ 50 bilhões já no início do ano, para não correr o risco de estourá-la.

Embora a situação fiscal do País tenha sido o pretexto para a deposição da presidente Dilma Rousseff, Temer e Meirelles, prisioneiros da tese de que não se pode aumentar impostos, estão aprofundando o rombo.

Abaixo, nota de Lauro Jardim a respeito:

Sem vigor

Os primeiros números de arrecadação federal em janeiro estão bem abaixo do esperado. Ressabiada, a equipe de Henrique Meirelles já começou a fazer as contas de quanto vai faltar para bancar o Orçamento de 2017. Se não houver surpresas positivas, a solução será um contingenciamento de despesas além de R$ 50 bilhões. Entre quatro paredes, ou seja, nunca admitirão em público, estão pessimistas quanto ao primeiro trimestre. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email