Parceria entre o PAC e a Nova Rota da Seda pode alavancar infraestrutura no Brasil

Cooperação foi anunciada durante encontro entre o presidente Lula e o chanceler chinês Wang Yi

Lula e Wang Yi
Lula e Wang Yi (Foto: @ShiIsabela/X)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Sputnik – A união entre o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a Nova Rota da Seda pode impulsionar a infraestrutura do Brasil, afirmam analistas. O governo chinês manifestou interesse em integrar as obras do PAC, com um orçamento de R$ 1,7 trilhão, ao projeto da Nova Rota da Seda durante uma visita do ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, a Brasília, no final de janeiro. Wang Yi sinalizou cooperação em setores como produção de soja, economia verde, economia digital, inteligência artificial e exploração espacial.

Analistas consideram a combinação dos projetos como uma oportunidade significativa, embora ressaltem a necessidade de avaliar os riscos. Para especialistas como Pablo Ibanez, professor de geopolítica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a iniciativa representa um casamento perfeito entre dois projetos ambiciosos. No entanto, ainda há incertezas sobre como a integração será efetivada, uma vez que nenhum termo foi assinado até o momento.

continua após o anúncio

A expectativa é que a parceria entre o Brasil e a China possa destravar gargalos na infraestrutura nacional, especialmente na construção de ferrovias e outros projetos estratégicos. Evandro Menezes, analista do setor, destaca o interesse chinês na expansão de infraestrutura, como portos, estradas e ferrovias, visando conectar fluxos de comércio de mercadorias entre os dois países.

Apesar das oportunidades econômicas que a integração pode trazer, há preocupações sobre possíveis endividamentos do Brasil com a China e questões políticas, como a neutralidade diplomática em relação a Taiwan. Porém, analistas argumentam que o Brasil possui uma estrutura institucional sólida para negociar acordos que beneficiem o país e que a avaliação cuidadosa dos termos é crucial para evitar compromissos desvantajosos.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247