CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Entrevistas

"O novo governo Lula não será um retorno a 2002. O inimigo vai nos combater", diz Pedro Serrano

Jurista diz que Brasil terá que combater duramente o terrorismo de extrema direita

Pedro Serrano e presidente Lula (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | José Cruz/Agência Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – O jurista Pedro Serrano, um dos maiores constitucionalistas do País, afirmou, em entrevista ao jornalista Leonardo Attuch, editor da TV 247, que o governo Lula terá que combater duramente o terrorismo de extrema direita. "O que aconteceu em Brasília é gravíssimo e não devemos ter o medo de usar a palavra terrorismo", diz ele.

Sobre a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Serrano diz que todos que entrarem na posse terão que ser revistados. "Há um nível de risco maior, mas as pessoas não devem se intimidar pelo medo", afirma. Serrano também diz que os financiadores de atos terroristas devem ser duramente penalizados e afirma que não é preciso apelar a instrumentos autoritários para punir os terroristas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Na sua visão, o próprio Jair Bolsonaro pode ser responsabilizado pelos atos de terrorismo. "Setores da PF e do MP podem estar participando das organizações criminosas. Bolsonaro armou a população para fins políticos. E portanto pode ser responsabilizado. Tudo precisa ser investigado", diz ele. "A primeira medida do ministro Flávio Dino deverá ser constituir um grupo para investigar o terrorismo", acrescenta.

Serrano também diz que a extrema direita demonstrou não ser a favor da ordem. "É a favor de alcançar o poder apenas", afirma. Serrano também lembra que a Operação Lava Jato produziu processos de exceção. "Ela usou o direito como maquiagem para a violência"

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Serrano também alerta para o excesso de otimismo. "Não podemos ter expectativa indevida em relação ao governo. Boa parte da sociedade brasileira está nazificada", afirma. "O terceiro mandato do presidente Lula não é um retorno a 2002. Estamos em outro momento muito diferente. O inimigo comum da frente ampla vai nos combater", afirma. Mas Serrano diz que o que está acontecendo com Lula é épico e deve ser celebrado.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO