Antecipação dos royalties vai parar na Justiça

A oposição na Assembleia Legislativa ainda não se deu por vencida com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 136/2014, que antecipa recursos dos royalties do petróleo para serem aplicados em fundos de previdência estadual, já aprovado em segundo turno no plenário; bancada promete travar batalha com o governo no plenário na próxima terça-feira, com projeto de lei que visa autorizar a operação bancária para adiantamento das verbas

A oposição na Assembleia Legislativa ainda não se deu por vencida com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 136/2014, que antecipa recursos dos royalties do petróleo para serem aplicados em fundos de previdência estadual, já aprovado em segundo turno no plenário; bancada promete travar batalha com o governo no plenário na próxima terça-feira, com projeto de lei que visa autorizar a operação bancária para adiantamento das verbas
A oposição na Assembleia Legislativa ainda não se deu por vencida com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 136/2014, que antecipa recursos dos royalties do petróleo para serem aplicados em fundos de previdência estadual, já aprovado em segundo turno no plenário; bancada promete travar batalha com o governo no plenário na próxima terça-feira, com projeto de lei que visa autorizar a operação bancária para adiantamento das verbas (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Bahia 247 - A oposição na Assembleia Legislativa ainda não se deu por vencida com relação à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 136/2014, que antecipa recursos dos royalties do petróleo para serem aplicados em fundos de previdência estadual, já aprovado em segundo turno no plenário.

Bancada promete travar batalha com o governo no plenário na próxima terça-feira (18), com projeto de lei que visa autorizar a operação bancária para adiantamento dessas verbas.

Líder da minoria, o deputado Paulo Azi, do DEM, promete mover ação na Justiça para derrubar validade dos dois projetos. "Cumprimos nosso papel de alertar a sociedade sobre o mal que essa emenda fará às finanças do estado. E temos expectativa em relação à ação que movemos no Tribunal de Justiça".

Inicialmente, a Constituição do Estado da Bahia previa que esses recursos fossem utilizados apenas em educação, saúde, energia e recursos hídricos.

Contudo, segundo Azi, como nos últimos anos o "descompasso" entre as receitas previdenciárias e os recursos necessários para pagar as aposentadorias e pensões se agravou, acarretando rombo previdenciário, o governo decidiu alterar a Constituição Estadual "para evitar uma crise financeira".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email