CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Geral

Dilma repete reclamações diante de Obama

Desta vez foi na Colmbia, durante a 6 Cpula da Amricas; ela disse que a expanso monetria "uma forma de protecionismo" e que"oprotecionismo no nos leva ao crescimento econmico ou prosperidade"; ser que o americano gostou desta vez?

Dilma repete reclamações diante de Obama (Foto: JOHN VIZCAINO/REUTERS)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 com Agência Brasil - A presidente Dilma Rousseff repetiu diante do presidente norte-americano, barack Obama, as críticas aos países ricos neste sábado, durante a 6ª Cúpula das Américas. Segundo ela, a expansão monetária é "uma forma de protecionismo", algo que "não nos leva ao crescimento econômico nem tampouco à prosperidade. Os comentários já tinham desagradado ao presidente norte-americano há poucos dias, durante visita de Dilma aos Estados Unidos, e à premiê alemão, Angela Merkel.

Dilma também pediu, durante seu discurso, mais integração entre os países da América Latina, do Caribe e dos Estados Unidos como forma de defesa contra a crise econômica internacional. “A integração é uma forma de nós nos articularmos para fazer face às consequências nefastas que a crise provoca”, disse Dilma diante do presidente americano, Barack Obama, do presidente colombiano, Juan Manuel Santos e dos chefes de Estado de outros 31 países.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Para a presidente, é necessário que os países latino-americanos e caribenhos se articulem para fortalecer os mercados internos e integrem os setores energético e logístico e as cadeias produtivas. Na opinião de Dilma, dessa forma será possível garantir crescimento para todos de maneira igualitária. “Nós temos setores industriais significativos que podem ser articulados num processo de integração em que todos nós ganhemos, uma integração entre iguais”, disse a presidenta.

Dilma destacou ainda a necessidade de articulação das fontes de financiamento do setor produtivo dos diversos países e citou como exemplo o “extraordinário crescimento” nas relações de investimento entre o Brasil e a Colômbia. “Precisamos articular também processos de sustentação e financiamento dos nossos setores produtivos e dos nossos investimentos. Seja com o Focen [Fundo para a Convergência Estrutural e Fortalecimento do Mercosul], seja com os nossos bancos de desenvolvimento, seja com o BID [Banco Interamericano de Desenvolvimento]."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Para a presidente, o investimento é a única forma de evitar inflação e bolhas especulativas nas economias de todos os países americanos, apesar do bom momento vivido pelo continente no que se refere ao emprego e crescimento econômico. A distribuição de renda associada à integração e ao investimento, de acordo com ela, é outra forma de garantir a transformação dos países da América.

A 6ª Cúpula das Américas acontece hoje e amanhã (15) e tratará de temas como desastres naturais, redução da pobreza, acesso e utilização de tecnologias, segurança e integração. Além disso, é esperado que questões antigas que permeiam os debates no continente também sejam abordadas nos encontros entre os chefes de Estado. É o caso do combate ao tráfico de drogas e do apoio à Argentina no conflito histórico com a Inglaterra pelas Ilhas Malvinas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO