CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Geral

Jarbas e Sérgio Guerra: De aliados a inimigos

Através de uma carta, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) diz que Sérgio Guerra é uma figura política sem moral para dar lições de ética; Para o senador, o tucano atua na política omitindo informações e não tem responsabilidade o suficiente para presidir o PSDB;

Jarbas e Sérgio Guerra: De aliados a inimigos
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Leonardo Lucena_PE247 – Começam a sair faíscas na relação entre o ex-governador de Pernambuco Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o presidente nacional do PSDB, o deputado federal Sérgio Guerra. Após ser criticado pelo tucano por ter aderido ao palanque da Frente Popular no Recife, que tem como candidato é Geraldo Júlio (PSB), indicado pelo gestor estadual Eduardo Campos, o peemedebista afirmou que o parlamentar representa uma “fraude” na política nacional.

Em carta enviada ao Blog do Magno Martins, o senador Jarbas diz que Sérgio Guerra é uma figura política sem moral para dar lição de ética. Para o senador, o tucano atua na política omitindo informações e não tem responsabilidade o suficiente para presidir o PSDB.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Confira a carta na íntegra:

“Certa estava a saudosa ex-deputada federal e fundadora do PSDB Cristina Tavares, que cunhou um resumo perfeito da personalidade de Sérgio Guerra: ‘É uma inteligência à procura de um caráter’. Peço desculpas às pessoas que me alertaram para a real personalidade de Sérgio Guerra. Lamentavelmente, eu não as levei em consideração e estreitei a amizade com Sérgio.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Hoje eu me arrependo de não ter dado ouvido a esses verdadeiros amigos. Todos os meus atos políticos, ao longo de mais de 40 anos de vida pública, foram feitos à luz do dia – ao contrário de Sérgio Guerra, que prefere fazer as coisas na escuridão dos subterrâneos. A aliança que construí com o governador Eduardo Campos e a Frente Popular, por exemplo, foi feita às claras, sem subterfúgios.

Lamento que a política nacional brasileira esteja hoje marcada por fraudes e uma delas é ter Sérgio Guerra como presidente nacional do PSDB, um partido pelo qual tenho um respeito histórico, no qual tenho grandes amigos.

É assustador ver que Sérgio, a essa altura da sua vida, venha querer dar lições de moral e ética a quem quer que seja. Ele não tem nem condições políticas e nem história para isso. Sérgio está aquém da responsabilidade de presidir o PSDB e o seu comportamento doentio em relação à minha pessoa só comprova isso”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO