Lula: "Nunca tivemos uma chance tão grande de ganhar em SP"

Um a um, ex-presidente analisou os pré-candidatos do PT ao governo de São Paulo; mas, em entrevista ao jornal Valor Econômico, não encheu a bola de nenhum deles; ao contrário: tirou postulantes da frente e fez sutis queimações; Lula registrou ser fundamental contar com o PMDB na chapa para vencer os tucanos em seu maior ninho; segundo ele, o candidato petista deve ser alguém "que se apresente com capacidade de fazer uma aliança política além dos limites do PT, além dos limites da esquerda"; quem melhor que Lula para cumprir esse papel?

Lula: "Nunca tivemos uma chance tão grande de ganhar em SP"
Lula: "Nunca tivemos uma chance tão grande de ganhar em SP"
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um a um, os pré-candidatos do PT foram analisados, de maneira curta e objetiva, pelo homem que irá dizer quem vai concorrer pelo partido ao cargo de governador de São Paulo, no próximo ano. Mas o ex-presidente Lula, em entrevista ao jornal Valor Econômico, não encheu a bola de nenhum de seus correligionários, ao contrário, esvaziou a maioria dos postulates. Deixou, ainda, aberta a possibilidade de o PT apoiar um candidato "palatável" do PMDB. Mesmo sem dizer o nome, esse político é o vice-presidente Michel Temer.

Pelo que disse e o que não disse, fica reforçada no ar a possibilidade de Lula vir a ser o candidato de Lula, em 2014, ao governo de São Paulo. "Nós nunca tivemos tanta chance de ganhar a eleição em São Paulo como agora", disse ele às jornalistas Vera Bramdimarte, Cristiane Agostini  e Cristina Fernandes. Ao final, Lula admitiou seu candidato a presidente e 2018, para o caso de a presidente Dilma Rousseff concorrer no próximo ano à reeleição. "Estarei com 72 anos (...). Vai que de repente eles precisam de um velhinho para fazer as coisas (...). Em política a gente não descarta nada".

Sobre os postulantes do PT, Lula mais queimou do que insensou os pré-candidatos ao partido, iniciando por dizer que "a gente não tem definição de candidato ainda". Sobre cada um, disse o seguinte:

MERCADANTE

"Você tem o Aloizio Mercadante, que não última eleição teve 35% dos votos, portanto ele tem performance razoável", sentenciou.

PADILHA

"Tem o (Alexandre) Padilha, que é uma liderança emergente no PT, que está em um ministério importante (da Saúde)".

MARTA

"Tem a Marta, que eu penso que não vai querer ser candidata desta vez".

MARINHO

"Tem outras figuras novas como o Luiz Marinho, que diz que não quer ser candidato".

CARDOZO

"Tem o José Eduardo Cardozo, que vira e mexe alguém diz que vai ser candidato".

PMDB

"E você pode construir alianças com outros partidos políticos. Para nós, a manutenção da aliança com o PMDB aqui em São Paulo é importante".

ALIANÇAS

"A minha tese é a mesma da eleição do Fernando Haddad. Ou seja, alguém que se apresente com capacidade de fazer uma aliança política além dos limites do PT, além dos limites da esquerda".

Antes da escolha de Haddad para ser candidato a prefeito de São Paulo, a principal tese defendida por Lula era a de que o partido precisava de alguém que representasse "o novo". Agora, Lula diz que a tese era da capacidade de ampliação de alianças, mas não foi isso que ele disse antes. A adaptação do discurso se dá em benefício do próprio Lula, que não cabe no novo, mas é talhado para o figurino de aumentar o arco de alianças tradicionais do seu partido.

Quem melhor que Lula, dentro do PT, para fazer essa composição?

Ao que parece, Lula é mesmo o candidato de Lula para governador de São Paulo, em 2014.

"Como é cedo ainda, temos uma ano para ver isso", disse ele, sobre a definição do nome.

O tempo dirá.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email