CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Geral

Magoado com o governo, PMDB ameaça rebelião

Com bancada indcil na Cmara, partido v nas eleies municipaisde 2012o grande teste de foras com o PT e no pretende perder o ttulo de maior partido do Brasil em nmero de prefeitos; para deputados, legenda esteve mais bem representada no poder quando no tinha a vice-Presidncia

Magoado com o governo, PMDB ameaça rebelião (Foto: Divulgação)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Evam Sena_247, em Brasília – Se a lua de mel entre o PMDB e o governo da presidente Dilma Rousseff nunca foi lá pra valer, o casamento pode estar perto de implodir. Na reunião da bancada peemedebista da Câmara em que os deputados decidiram antecipar a eleição da liderança para o ano que vem e reconduziram Henrique Eduardo Alves (RN), foi feita uma avaliação do ano para o partido e a reclamação é generalizada: o PMDB perdeu espaço no atual governo. Por isso, a ameaça de rebelião ganha cada vez mais vozes.

A própria recondução de Henrique Alves foi uma exibição de força do partido. PT e PMDB fizeram um acordo no início deste ano para estabelecer um rodízio na presidência da Câmara, o que deixará o cargo para Henrique Alves entre 2013 e 2014. Deputados peemedebistas prevêem uma quebra de acordo do PT, que tem a maior bancada, e tentam fortalecer seu líder para a disputa.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A insatisfação é maior, mas não restrita, entre os deputados de primeiro mandato. Peemedebistas mais antigos tentam contemporizar, temendo que a rebelião sobre para Henrique Alves, que permanece há seis anos como líder, e foi alvo de movimentação contrária dentro do partido em agosto. Liderada pelo deputado Danilo Fortes (PMDB-CE), uma ala peemedebista questionou a liderança, o que acabou levando à saída de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), indicado por Alves, da relatoria do novo Código Civil.

O PMDB vê nas eleições de 2012 o grande teste na medição de forças com o PT e não quer perder o título de maior partido do Brasil em número de prefeitos. Muitos analisam que o menor espaço ocupado pelo PMDB hoje no governo Dilma é uma tentativa de esvaziar o partido. “Estamos comprimidos dentro do projeto de governo, num contexto que nos é desfavorável. Somos marginais dentro do processo”, afirma Fortes.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Se no ano que vem perdermos o título de maior partido do Brasil, teremos dificuldades de manter esta aliança”, prevê o vice-líder do partido, Eduardo Cunha. O deputado liderou a bancada do PMDB fluminense a fazer uma carta ameaçando apoiar propostas contra o governo e pedindo que o partido entregasse todos os cargos no governo.

O PMDB, que perdeu ministérios importantes entre o governo Lula e o governo Dilma, como a pasta da Saúde, se vê alijado das principais decisões do governo. “Nossos ministérios (Agricultura, Turismo, Minas e Energia, Previdência e Secretaria de Assuntos Estratégicos) não estão no centro deste governo, não participam da elaboração das políticas econômica e social”, afirma Osmar Terra (PMDB-RS).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“O PMDB estava mais representado no segundo mandato do governo Lula do que agora, que temos o vice-presidente, demos tempo de TV e somos governo”, disse Eduardo Cunha, prevendo a dificuldade que Dilma enfrentará para fazer a reforma ministerial anunciada para janeiro.

Outra reclamação do partido é a liberação de emendas, recursos propostos pelos parlamentares no orçamento para serem investidos em seus estados. Pequenos municípios são os mais beneficiados com as emendas. Com a contenção de gastos no governo, para enfrentar a crise econômica mundial, a liberação de emendas este ano foi baixa. “O caso das emendas é uma vergonha. Não aposto na unidade na base aliada, nem no PMDB no ano que vem. Essa casa vai se rebelar contra esse governo, se não mudar”, afirma o deputado Newton Campos (PMDB-MG).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Segundo deputados, os ministros do partido reclamam que os orçamentos de suas pastas são determinados pela Casa Civil, comandada pelo PT, e não sobram recursos para projetos de parlamentares. “Não conseguimos quase nada nos ministérios. De que adianta ministro do PMDB”, opina Marlon Sampaio (PMDB-PI), pré-candidato à prefeitura de Teresina. “Os ministérios são bons para os ministros e não para as bancadas. Se for, é preferível não ter ministério e o ônus quando cai ministro”, afirmou Cunha.

Embora comemore como principal ação no Congresso este ano a aprovação da emenda apresentada pelo partido, contrária a orientação do governo, ao novo Código Florestal, a bancada peemedebista se orgulha se sua unidade com o governo e a usa como peça de barganha. “Alguém acha que a Dilma seria eleita sem o PMDB? Você acha que o governo estaria vencendo votações sem o PMDB”, questionou Edinho Bez (PMDB-SC).

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Essa unidade tem um preço caro. Temos que melhorar nossa interlocução com este governo, porque damos segurança de governabilidade, mas não somos meras marionetes dentro do sistema”, afirma Danilo Fortes.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO