Suborno a braço-direito de Covas financiou partidos

Justiça de Berna, na Suíça, aponta que o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), era o intermediário do esquema de propina da Alstom para garantir contratos com governos paulistas; verba era destinada para "o financiamento de partidos", diz documento, sem citar nome das siglas envolvidas

Justiça de Berna, na Suíça, aponta que o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), era o intermediário do esquema de propina da Alstom para garantir contratos com governos paulistas; verba era destinada para "o financiamento de partidos", diz documento, sem citar nome das siglas envolvidas
Justiça de Berna, na Suíça, aponta que o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), era o intermediário do esquema de propina da Alstom para garantir contratos com governos paulistas; verba era destinada para "o financiamento de partidos", diz documento, sem citar nome das siglas envolvidas (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Investigadores da Suíça indicam que parte do suborno da Alstom para garantir contratos com o governo paulista era destinada para "o financiamento de partidos".

Documentos da Justiça de Berna apontam o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) Robson Marinho, ex-chefe da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), como o intermediário entre a companhia francesa e autoridades no Brasil. Não foram citados os nomes dos partidos envolvidos.

Além de comprovar a existência de uma conta em nome de Marinho, a Suíça liberou depoimento de ex-Alstom que atesta suborno recebido pelo agente público.

"Compreendi que se tratava de um certo sr. Robson Marinho. Ele era membro do Tribunal de Contas do Estado federal [sic] de São Paulo. Essa é a instância que fiscaliza as companhias estaduais. Agora não sei se apenas essa pessoa recebeu dinheiro ou se o sr. Marinho o distribuiu ou não", disse Michel Cabane, ex-diretor da Cogelec, subsidiária da Alstom e da Cegelec, em depoimento às autoridades suíças.

Trata-se da primeira confissão de suborno direto ao ex-braço-direito de Covas. Conta secreta na Suíça teria R$ 1,1 milhão.

O conselheiro, que é alvo de investigação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suspeita de ter beneficiado a Alstom em um julgamento de 2001, teria recebido o dinheiro enquanto secretário da Casa Civil de Covas. Ele foi alçado para o cargo de conselheiro pelo ex-governador tucano.

De acordo com a Justiça, a Alstom pagou propina para vencer uma concorrência no valor de R$ 23,2 milhões. O serviço prestado era o fornecimento de equipamentos em três subestações elétricas da Eletropaulo e EPTE. Marinho nega ter dinheiro no exterior.

Leia aqui a matéria do Estado de S. Paulo sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email