"UFC é rinha humana"

"O que farão as autoridades quando ocorrer um assassinato diante da plateia e dos telespectadores? O assassino será preso em flagrante?", questiona o jornalista e escritor Laurez Cerqueira; leia sua opinião sobre o "esporte", um dia depois de o brasileiro Anderson Silva ter quebrado a perna durante uma luta; segundo ele, existe um "culto à violência"

"O que farão as autoridades quando ocorrer um assassinato diante da plateia e dos telespectadores? O assassino será preso em flagrante?", questiona o jornalista e escritor Laurez Cerqueira; leia sua opinião sobre o "esporte", um dia depois de o brasileiro Anderson Silva ter quebrado a perna durante uma luta; segundo ele, existe um "culto à violência"
"O que farão as autoridades quando ocorrer um assassinato diante da plateia e dos telespectadores? O assassino será preso em flagrante?", questiona o jornalista e escritor Laurez Cerqueira; leia sua opinião sobre o "esporte", um dia depois de o brasileiro Anderson Silva ter quebrado a perna durante uma luta; segundo ele, existe um "culto à violência" (Foto: Gisele Federicce)

247 - As lutas do UFC são "rinha humana", afirma o jornalista e escritor Laurez Cerqueira, que questiona, no artigo abaixo, o que fariam as autoridades caso acontecesse uma morte no octógono, em vez de "apenas" uma fratura na perna, como sofreu o brasileiro Anderson Silva nesta madrugada?

O autor prevê ainda que, tomando como base o "livre arbítrio", poderemos incluir no "esporte" o uso de facas ou sabres. O UFC, diz ele, está sendo tolerado por que é movido por milhões em negócios.  "A sociedade do espetáculo está indo por caminhos sombrios", conclui Laurez Cerqueira, que condena o que chama de "culto à violência".

Leia seu artigo:

Rinha humana

(*) Laurez Cerqueira

Até agora a luta UFC produziu lesões corporais graves, como a fratura de Anderson Silva e de outros lutadores.

O que farão as autoridades quando ocorrer um assassinato diante dos olhos da plateia e dos telespectadores? O assassino será preso em flagrante?

A Constituição Federal e o Código Penal são claros. Essa de que entra no ringue quem quer, de que as pessoas são livres, é uma hipocrisia. Quer dizer que esse mesmo princípio vale para o aborto, a eutanásia, o suicídio e o uso de drogas? A tarefa está com o Supremo Tribunal Federal, o guardião da Constituição.

Tomando como base esse princípio do livre arbítrio, esse "esporte" pode entender que deve evoluir para o uso de facas ou sabres, como no tempo dos gladiadores, tudo bem? Guardadas as devidas exceções, quem assiste quer ver sangue, mais sangue, como nos Coliseus. Isso não seria medieval, uma barbárie?

Classificaram essa luta sanguinária como esporte para regulamentar a rinha humana. Rinha de galo, de cães e de outros animais são proibidas por lei e a rinha humana não? A sociedade do espetáculo está indo por caminhos sombrios.

Tem um culto à violência por aí que está levando gente às academias e às lojas de tatuagem para ficar cada vez mais parecida com os lutadores de UFC. Junto com isso tem uns joguinhos eletrônicos de extrema violência que ajudam a turbinar a performance. O que têm a dizer os estudiosos da Psicologia, da Sociologia, da Filosofia, da Antropologia? Não vão se pronunciar? Só depois do primeiro cadáver nas telas de TV?

É incrível! Pessoas que assistem a esse espetáculo se dizem, às vezes, ecologistas, protetoras dos animais, até apoiaram, por exemplo, ações como a da libertação de cachorrinhos da raça Beagle, dos laboratórios de pesquisa em São Paulo. Não é raro ver rapazes musculosos e tatuados com seus Poodles numa coleirinha passeando por aí, mas não perdem sequer uma luta. Esquisito, não?

Pode estar vindo nesse movimento algo de intolerância, de violência extrema, que não combina com a harmonia, a paz e a solidariedade que desejamos, particularmente, todos os finais de ano, para a sociedade dos nossos sonhos. Neste final de ano fomos "brindados"com uma fratura exposta do lutador Anderson Silva.

Ao Greenpeace, ao WWF e tantas ONGs que atuam na busca da paz, do fim das guerras, na preservação da natureza, na proteção dos animais, peço que "vão ao Ártico" e continuem nos seus propósitos, como fizeram os 26 militantes do Greenpeace, entre eles a brasileira, Ana Paula Maciel, mas não ignorem o que está acontecendo aqui. Um ser humano pode matar outro diante dos nossos olhos, nas telas de TV.

O UFC está sendo tolerado por que é movido por milhões em negócios. Não só as empresas patrocinadoras ganham; as empresas de comunicação também engordam seus caixas.

Perguntar não ofende: será que alguma ONG pacifista, ambientalista recebe contribuição de alguma dessas empresas? Aos jornalistas "investigativos" de plantão vale conferir e informar quem ganha e quanto com a rinha humana. Mas, se as empresas patrocinadoras dessa barbárie forem clientes da TV, do rádio, do jornal ou da revista, duvido que alguém fique sabendo, por razões óbvias.

O que diriam Mahatma Gandhi, Dalai Lama, John Lennon, Nelson Mandela, os Prêmios Nobel da Paz, enfim, todos os pacifistas do mundo, sobre as rinhas humanas?

Um 2014 de paz, harmonia, solidariedade, e felicidade para toda a humanidade!

(*) Laurez Cerqueira é autor, entre outros trabalhos, de O Outro Lado do Real, Florestan Fernandes – um mestre radical; e Florestan Fernandes – vida e obra.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247