CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Ideias

Gaza, a falência moral do Ocidente

O drama que se desenrola em Gaza tem uma causa: a colonização e a ocupação da Palestina por Israel, o regime de apartheid infligido à população e o bloqueio imposto desde 2007

(Foto: Reuters )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Por Salim Lamrani (*) - Ajudando e incentivando o governo supremacista de Benjamin Netanyahu por meio de seu apoio material e político, os países ocidentais foram desacreditados aos olhos da opinião pública mundial, que está testemunhando com consternação o genocídio cometido contra o povo palestino.

Desde os massacres de 7 de outubro de 2023 perpetrados pelo Hamas, que ceifaram a vida de 400 soldados e 800 civis, um dilúvio de fogo de barbaridade indescritível tem chovido continuamente sobre o povo de Gaza, que foi abandonado à própria sorte. Até o momento, de acordo com os números disponíveis, mais de 35.000 pessoas morreram – maioria delas mulheres e crianças – e quase o dobro de pessoas ficaram feridas. O número real de mortos é provavelmente muito maior, pois quase 10.000 pessoas ainda estão desaparecidas, enterradas sob os escombros. A população de 2,3 milhões de pessoas – muitas delas crianças – está traumatizada para o resto da vida, sem água, sem comida, sem combustível, sem moradia, sem hospitais e sem lugar seguro para buscar refúgio nessa pequena área de 365 quilômetros quadrados devastada por bombardeios indiscriminados.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A violência de 7 de outubro de 2023 foi sem precedentes em termos do número de vítimas israelenses, a maioria das quais eram civis, o que constitui um crime de guerra de acordo com a Convenção de Genebra. Por outro lado, são tristemente banais em termos de perdas humanas no conflito colonial entre Israel e a Palestina. A Operação Chumbo Fundido, lançada por Tel Aviv em 2008, causou a morte de 1.330 palestinos, incluindo quase 900 civis, e a Operação Margem Protetora, em 2014, custou a vida de mais de 2.100 palestinos, incluindo 1.700 civis, para citar apenas dois episódios sangrentos. Uma vida humana israelense é tão valiosa quanto uma vida humana palestina e os civis, independentemente de sua nacionalidade, nunca devem ser o alvo de operações militares, conforme exigido pelo direito humanitário internacional. Da mesma forma, os civis nunca devem ser feitos reféns, muito menos mulheres e crianças, seja nos túneis de Gaza ou nas prisões israelenses, onde centenas de pessoas estão definhando sem julgamento.

O drama atual que se desenrola em Gaza tem uma causa: a colonização e a ocupação das terras palestinas por Israel, o regime de apartheid infligido à população e o bloqueio imposto ao território desde 2007. Em vez de exigir um cessar-fogo imediato, o respeito aos princípios fundamentais do direito internacional, a abertura de um processo de paz e o retorno às fronteiras de 1967, países como os Estados Unidos, a Alemanha e a França, para citar apenas alguns, são cúmplices dessa operação genocida, fornecendo armas ao regime de Netanyahu – cuja sobrevivência política depende exclusivamente da continuação das hostilidades – e estão contribuindo para o extermínio de um povo. Assim, os principais governos ocidentais afundaram na falência moral, expondo ao mundo sua duplicidade e seus princípios de geometria variável. Sem esse fluxo contínuo de armas, Israel não teria condições de continuar sua política de destruição.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Essa falência moral também diz respeito à grande mídia que, com algumas raras exceções, retransmite a propaganda de guerra do governo israelense, acentuando assim a desgraça que já a aflige há muitos anos. Em vez de apresentar a terrível realidade dessa tragédia e suas causas subjacentes, eles preferem fugir das responsabilidades reais, minimizar a escala da tragédia e desviar a atenção da opinião pública, Eles preferem fugir das responsabilidades reais, minimizar a escala da tragédia, desviar a atenção da opinião pública, discutir sobre termos – apesar da decisão da Corte Internacional de Justiça, que se refere a um risco de genocídio, e das claras declarações públicas dos principais líderes políticos de Israel – e rebaixar os defensores da paz ao brandir a infame acusação de antissemitismo, desacreditando assim a nobre causa da luta contra o racismo e todas as formas de discriminação.

No entanto, há um sinal de esperança nos jovens de todo o mundo, especialmente no Ocidente, que estão demonstrando em escolas secundárias e universidades sua rejeição aos crimes cometidos e sua demanda por uma paz justa e duradoura no Oriente Médio. Apesar da repressão do governo, eles estão resistindo pacificamente, sabendo que, em última análise, estão defendendo a causa da humanidade. Ela denuncia o destino do povo palestino, martirizado por uma potência ocupante que não tem nada além de desprezo pela vida humana, inclusive por seus próprios cidadãos mantidos como reféns. Em nome dos valores universais de justiça e do direito inalienável dos povos à autodeterminação, os pacifistas israelenses e muitos cidadãos de fé judaica em todo o planeta também rejeitam os horrores cometidos em Gaza, comovidos com o desespero dos palestinos e também cientes de que a imagem de Israel foi manchada para sempre pela loucura destrutiva de um regime colonizador e messiânico.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Salim Lamrani tem doutorado em Estudos Ibéricos e Latino-Americanos pela Universidade de Sorbonne e é professor de História da América Latina na Universidade de La Réunion, especializando-se nas relações entre Cuba e os Estados Unidos.

Seu último livro é Au nom de Cuba: https://www.editions-harmattan.fr/livre-au_nom_de_cuba_regard_sur_carlos_manuel_de_cespedes_jose_marti_salim_lamrani-9782140294099-77782.html

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O artigo reflete exclusivamente a opinião do autor

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO