Maioria dos brasileiros quer proteção da Amazônia entre prioridades dos candidatos

Foi o que disseram três em cada quatro eleitores em pesquisa recente do instituto PoderData. Para cientista política, o tema também terá peso na decisão do voto

www.brasil247.com - Vista aérea de área desmatada da Amazônia no Mato Grosso
Vista aérea de área desmatada da Amazônia no Mato Grosso (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)


247 - O candidato a presidente da República que apresentar um plano específico para a proteção da Floresta Amazônica tem mais chance de conquistar o eleitor. Foi o que disseram três em cada quatro eleitores em pesquisa recente do instituto PoderData. A proteção da Amazônia, segundo 76% dos entrevistados, precisa estar entre as prioridades dos presidenciáveis.

O PoderData ouviu em junho 3 mil pessoas com 16 anos ou mais. A pesquisa, encomendada pelo Instituto Clima e Sociedade (iCS), tem margem de erro de dois pontos percentuais. Segundo a cientista política Arleth Borges, da Universidade Federal do Maranhão, o resultado mostra que, mesmo em um cenário de agravamento da fome, da inflação e das consequências dramáticas da pandemia sobre a Educação, a preocupação dos brasileiros com a Floresta Amazônica terá peso na decisão do voto.

"A centralidade da pauta da Amazônia se inscreve no plano mais amplo das questões ambientais, cujas tragédias e desequilíbrios têm chegado cada vez mais perto das pessoas, pelos excessos de chuvas ou secas, dependendo da região, pelas enfermidades associadas a desequilíbrios ambientais, e pelos avanços sobre áreas de proteção e de populações tradicionais por parte de empreendimentos madeireiros, agropecuários ou de mineração", acrescenta Arleth, que coordena o Laboratório de Estudos  Geopolíticos da Amazônia Legal no Maranhão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Floresta pode definir voto

“Em outubro teremos eleição para presidente do Brasil. Na sua opinião, a proteção da Amazônia deve ser uma prioridade para os candidatos a presidente?” Diante da pergunta, 76% dos eleitores consultados pelo instituto responderam que concordam com essa prioridade, e apenas 18% discordaram. Seis por cento não souberam responder.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os pesquisadores questionaram, então, se a chance de votar em alguém aumentaria se esse candidato a presidente apresentasse um plano específico para a proteção da floresta: 62% responderam que sim. O índice dos que disseram que isso não faria diferença na decisão de voto foi de 23%, menos da metade do grupo majoritário.

A pesquisa deixa claro que a maioria dos eleitores não tem em boa conta o trabalho do governo federal na proteção da Floresta Amazônica. A maior parcela dos entrevistados, 48%, considerou ruim ou péssima essa atuação, 22% a consideraram regular, e apenas 19% acham este trabalho ótimo ou bom.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desenvolvimento econômico

Durante décadas, o discurso desenvolvimentista de muitos progressistas ou conservadores partia do pressuposto de que desmatar aumentaria a produção econômica, como fizeram os países ricos nos séculos anteriores. A mentalidade começou a mudar no início dos anos 1990, com a realização da Conferência Mundial da ONU no Rio de Janeiro, e o resultado da consulta comprova que a ideia se tornou anacrônica para o eleitor contemporâneo.

A pesquisa não deixa dúvida sobre a importância que o eleitor atribui à proteção da Amazônia para o desenvolvimento econômico do Brasil: 70% disseram que proteger a floresta é importante para o desenvolvimento. Dezoito por cento disseram que não, e 12% não souberam responder.

Os pesquisadores apresentaram a seguinte frase: “É preciso conservar a Amazônia porque ela é a maior riqueza do Brasil”. E perguntaram a cada eleitor o que ele achava. Oitenta e quatro por cento disseram concordar com a tese pró-conservação, e apenas 8% discordaram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em seguida, três pensamentos distintos foram submetidos à apreciação dos entrevistados. A mais votada, por 62%, dizia que “o desenvolvimento do Brasil depende da proteção da Amazônia”. A segunda mais votada, com 18%, foi que “para o Brasil se desenvolver, proteger a Amazônia não é uma prioridade”. A menos cotada, com apenas 7% das respostas, dizia que “o Brasil consegue se desenvolver mesmo sem proteger a Amazônia”. Treze por cento não souberam responder.

Imagem do Brasil

Quase a totalidade dos eleitores consultados, 85%, disse que a Amazônia “faz parte da identidade nacional do Brasil”. Só 11% disseram que não.

A maior parcela, 41%, também considera que a preservação da floresta é muito importante para a imagem do Brasil no exterior. Outros 25% a consideraram mais ou menos importante, 12% disseram que é pouco importante, e só 9% disseram que não tem importância.

A floresta e a fome

O eleitor demonstrou também que compreende a relação que existe entre a preservação da floresta e a questão da fome no Brasil. A grande maioria, 65%, considera que a proteção da floresta pode ter um impacto positivo no combate à fome no País, contra 18% que vê nessa proteção um impacto negativo. Ou seja, há mais brasileiros que veem mais potencial de combater a fome na proteção da floresta do que em sua destruição por atividades econômicas tradicionais. Não souberam responder 17% dos entrevistados.

Para a bióloga Hannah Baleiro, do Instituto Mapinguari, do Amapá, o eleitor se mostra disposto a votar pensando na importância da Amazônia por entender a gravidade da volta do Brasil para o mapa da fome. "Apoiar a produção sustentável de alimentos é essencial, e o eleitor entende que o sistema de produção do agronegócio não alimenta a população e ainda impacta negativamente a proteção da região, pois precisa desmatar para produzir, agravando a crise climática” , avalia a bióloga.

Os eleitores estão atentos também, na opinião de Hannah, ao contexto de violência e da falta de participação da população da Amazônia nos seus processos decisórios. "Todos os candidatos têm muitos pontos para trabalhar em cima de propostas para a Amazônia nessas eleições", afirma a bióloga.

Redes sociais

A circulação de informações sobre a Amazônia é apontada pela cientista política Arleth Borges, com base na pesquisa, como um dos motivos do aumento da consciência do eleitor sobre a importância que a proteção à floresta precisa ter no programa de um candidato a presidente. A maioria (64%) dos entrevistados disse se sentir informada sobre os acontecimentos na Região Amazônica, contra 36% que não se sentem informados.

Os pesquisadores perguntaram com qual frequência o eleitor tem ouvido falar sobre o tema, e 41% responderam “sempre”, 39% disseram que “de vez em quando” e só 12% disseram ouvir falar “raramente” sobre os temas relacionados com a proteção da Amazônia.

As redes sociais foram apontadas como o meio pelo qual 24% dos eleitores têm ouvido falar mais recentemente sobre a Amazônia. Somado aos 12% que apontaram o WhatsApp como a principal fonte, o índice chega a 36%. Os sites e portais de notícia foram apontados por 21%, a televisão por 15%, o rádio por 9%, e jornais e revistas ficaram com apenas 2% das respostas. Quatro por cento apontaram como principal meio de informação sobre o tema as conversas com amigos e com a família.

"É cada vez maior o número de pessoas que se informam pelas redes sociais e usam essas informações para orientar suas escolhas. A disposição da maioria para votar no candidato que tenha plano específico para a Amazônia confirma a relevância da circulação de informações sobre a região", afirma Arleth Borges.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email