Jornais minimizam Pandora Papers porque donos têm contas no exterior, diz Paulo Moreira Leite

“Muitos estão cheios de contas lá fora. Vamos admitir, porque isso é um segredo de polichinelo da elite brasileira”, afirma o jornalista. No escândalo dos Panama Papers, revelado em 2016, 14 empresários de mídia e jornalistas foram citados

www.brasil247.com - Paulo Moreira Leite / Globo
Paulo Moreira Leite / Globo (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil 247 | Reprodução)


247 - Causou estranheza neste domingo e segunda-feira (4) a cobertura tímida - em alguns casos, nula - da imprensa corporativa sobre o escândalo dos Pandora Papers - que investigou milhões de documentos de paraísos fiscais em todo o mundo e revelou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, têm contas nesses locais.

O jornal O Globo não publicou uma linha sobre o que em qualquer lugar do mundo seria um dos maiores escândalos da história, embora a TV Globo e a Globonews tenham dado reportagens sobre o caso. O jornal Estado de S. Paulo se preocupou mais com as contas de Shakira e Julio Iglesias do que com as das autoridades econômicas brasileiras e, por último, a Folha de S. Paulo apontou um “suposto conflito de interesses” no caso.

O Pandora Papers foi divulgado pelo projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que reúne mais de 600 repórteres de 151 veículos em 117 países e territórios. No Brasil, participaram da apuração Agência Pública, revista piauí, Poder360 e Metrópoles.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Por que os jornais abaixam a crise? Porque muitos estão cheios de contas lá fora. Vamos admitir. Porque isso é um segredo de polichinelo da elite brasileira: as contas no exterior”, disse o jornalista Paulo Moreira Leite, na TV 247, tentando trazer uma explicação para a cobertura. “Lembram do escândalo das CC5? As pessoas colocavam dinheiro para fora para quê? Para suas próprias contas. Milhares, bilhões escaparam, sem nenhum controle”, resgatou o comentarista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecido caso das CC5 revelou, em setembro de 1999, que US$ 124 bilhões haviam saído ilegalmente do país. À época, os empresários brasileiros envolvidos no enorme escândalo também tiveram seus nomes protegidos pela imprensa, que centraram fogo em doleiros e agentes financeiros usando o argumento de que não era possível “separar quem utilizou de forma legal o mecanismo e quem lavou dinheiro”. No entanto, todas as remessas pelas contas CC5 eram ilegais pela própria natureza das contas. Relembre o caso aqui.

Saltou aos olhos, na época, as remessas enviadas pelo grupo Globo, como empresas como Globosat Comunicações, Globopar, Globo Participações ou Globosat Telecomunicações: R$ 124,134 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este não foi o único escândalo envolvendo nomes de empresários da mídia com offshores. Em 2016, nos Panama Papers, “pelo menos 14 empresários e diretores de empresas de mídia, seus parentes ou jornalistas” foram citados em “relação com offshores criadas pela firma panamenha de advocacia Mossack Fonseca”, noticiou o jornalista Fernando Rodrigues, do UOL.

“Estão citados uma neta de Roberto Marinho (fundador da Globo) e diretores e ex-diretores do Grupo Globo. Aparecem também a dona da TV Verdes Mares, Yolanda Vidal Queiroz; o apresentador Carlos Massa, o Ratinho, dono da Rede Massa de Televisão; um sócio do grupo Bloch, antigo dono da TV Manchete, Pedro Jack Kapeller; o ex-senador João Tenório, dono da TV Pajuçara, em Alagoas; e o sócio das TVs Studio Vale do Paraíba e Jaú, Antonio Droghetti Neto. Do Grupo Estado, que publica o jornal “O Estado de S.Paulo”, Ruy Mesquita Filho e o presidente do Conselho de Administração do Grupo Estado, Walter Fontana Filho, tiveram seus nomes ligados a offshores”, diz sua reportagem.

Pouco tempo depois, em 2017, os irmãos donos da TV Globo (Irineu Marinho e seus irmãos João e José) apareceram na lista dos Paradise Papers, que revelou uma lista com pelo menos 17 bilionários brasileiros com empresas abertas em paraísos fiscais como Bermudas, Bahamas, Ilhas Cayman, Ilhas Virgens e Malta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No escândalo divulgado neste domingo (3), o dono da CNN, o empresário Rubens Menin, apareceu junto de empresários de outros setores, como os donos da Prevent Senior, envolvida em outro escândalo no âmbito da pandemia, e Luciano Hang, das Lojas Havan.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email