"O fantasma da crise permanente continua sendo invocado para impedir a retirada de privilégios", diz Nassif

"Foi um jogo que contaminou todo o mundo civilizado, que comprometeu a social democracia europeia e subjugou os dois governos Lula'", afirma o jornalista

Jornalista Luis Nassif
Jornalista Luis Nassif (Foto: Editora 247)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O jornalista Luis Nassif, em artigo publicado no GGN nesta quinta-feira (24), trata do "jogo do mercado" baseado na "crise permanente". Ele cita o pensador português Boaventura de Sousa Santos, em “O futuro começa agora: da pandemia à utopia”, para explicar: "a crise financeira permanente é utilizada para explicar os cortes nas políticas sociais (saúde, educação, previdência social) ou a degradação dos salários. E assim impede que se pergunte pelas verdadeiras causas da crise. O objetivo da crise permanente é não ser resolvida. Mas qual é o objetivo deste objetivo? Basicamente, são dois os objetivos: legitimar a escandalosa concentração de riqueza e impedir que sejam tomadas medidas eficazes para evitar a iminente catástrofe ecológica".

Segundo Nassif, a estratégia da crise permanente já foi utilizada para 'subjugar' os dois governos Lula no passado e continua sendo invocada nos dias atuais. "Sucessivas crises econômicas, mais o fator Bolsonaro, desnudaram um pouco esse jogo do tal do mercado. Mas o fantasma da crise permanente continua sendo invocado para impedir a retirada de qualquer privilégio, mesmo os mais indecentes.

continua após o anúncio

"Foi um jogo que contaminou todo o mundo civilizado, que comprometeu a social democracia europeia e subjugou os dois governos Lula, pelo menos até 2008", completou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247