CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Biden viaja à Arábia Saudita em meio a tensão sobre petróleo e polêmicas sobre o assassinato de Khashoggi

A visita de Biden à monarquia saudita tem por foco petróleo e segurança regional, segundo a Casa Branca

Imagem Thumbnail
Joe Biden (Foto: Evelyn Hockstein/Reuters/Ag. Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - O presidente dos EUA, Joe Biden,  discutirá com a monarquia saudita o fornecimento de energia, direitos humanos e cooperação de segurança com o país árabe nesta sexta-feira (15), em uma viagem projetada para redefinir o relacionamento dos EUA com um país que ele prometeu tornar um "pária" no cenário mundial.

Biden realizará reuniões com o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz, e o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, conhecido como MbS, juntamente com outros funcionários do governo, disse um alto funcionário do governo Biden a repórteres. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A visita será observada de perto pela linguagem corporal e retórica. A inteligência dos EUA concluiu que MbS aprovou diretamente o assassinato em 2018 do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi, enquanto o príncipe herdeiro nega ter um papel no assassinato. 

Assessores da Casa Branca se recusaram a dizer se Biden vai apertar a mão do príncipe, o governante de fato do reino. Biden se reunirá com um conjunto mais amplo de líderes árabes em uma cúpula na cidade portuária de Jeddah, no Mar Vermelho, no sábado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"O presidente vai se encontrar com cerca de uma dúzia de líderes e vai cumprimentá-los como de costume", disse o funcionário do governo. 

No início da viagem de Biden ao Oriente Médio, as autoridades disseram que ele evitaria contatos próximos, como apertos de mão, como precaução contra o covid-19. Mas o presidente acabou se envolvendo em apertos de mão em Israel. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Biden disse na quinta-feira que sua posição sobre o assassinato de Khashoggi era "absolutamente" clara. Biden fez seu comentário de "pária" menos de dois anos atrás, após o assassinato do jornalista e enquanto fazia campanha para presidente. 

Biden disse que aumentaria os direitos humanos na Arábia Saudita, mas não disse especificamente se abordaria o assassinato de Khashoggi com seus líderes.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A embaixadora saudita nos Estados Unidos, Reema bint Bandar Al Saud, escrevendo na revista norte-americana Politico, reiterou a "aversão" do reino ao assassinato, descrevendo-o como uma atrocidade horrível, e disse que não pode definir os laços EUA-Sauditas.

Ela disse que a relação também não deve ser vista no paradigma "desatualizado e reducionista" do petróleo por segurança. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"O mundo mudou e os perigos existenciais que todos nós enfrentamos, incluindo segurança alimentar e energética e mudanças climáticas, não podem ser resolvidos sem uma aliança efetiva entre EUA e Arábia Saudita", disse ela. 

Interesses de energia e segurança levaram o presidente e seus assessores a decidir não isolar o reino, o maior exportador de petróleo do mundo e potência regional que vem fortalecendo os laços com a Rússia e a China, particularmente em um momento de preocupação do Golfo com o desengajamento dos EUA da região. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os Estados Unidos estão ansiosos para ver a Arábia Saudita e seus parceiros da Opep bombear mais petróleo para ajudar a reduzir o alto custo da gasolina e aliviar a inflação mais alta nos EUA em quatro décadas. 

“Os sauditas definitivamente pretendem aumentar a capacidade e com os preços do petróleo tão altos que têm os meios para fazer isso, principalmente porque veem restrições de produção em outros lugares em um mercado que ainda está crescendo”, disse Daniel Yergin, vice-presidente da S&P Global e especialista. nos mercados mundiais de energia.

Segurança regional

Biden encorajará a paz e pressionará por um Oriente Médio mais integrado durante sua viagem, disse o funcionário.

"Estaremos cobrindo uma série de questões bilaterais e regionais, realmente encerrando muitos meses de diplomacia e posicionando os Estados Unidos e nossos parceiros para o futuro de uma maneira que promova nossos interesses e os deles", disse ele.

Os tópicos incluem o fortalecimento de uma trégua na guerra no Iêmen, "equilíbrio" nos mercados de energia e cooperação tecnológica em 5G e 6G, disse ele. 

O enviado saudita disse que os esforços dos EUA e da Arábia Saudita para garantir a paz e a segurança devem se concentrar em aumentar a cooperação e "reforçar um sistema baseado em regras" para enfrentar a "visão de caos promovida pelo Irã".

Os países do Golfo compartilham as preocupações de Israel sobre os programas nucleares e de mísseis balísticos do Irã e os representantes de Teerã na região onde a Arábia Saudita e o Irã xiita disputam influência. 

Durante sua visita a Israel na primeira etapa da viagem ao Oriente Médio, Biden e o primeiro-ministro Yair Lapid assinaram uma promessa conjunta de impedir que o Irã tenha acesso a armas nucleares, que Teerã nega querer. 

Biden será o primeiro presidente americano a voar de Israel diretamente para Jeddah, um movimento que a Casa Branca diz representar um “pequeno símbolo” de laços de aquecimento entre Israel e Arábia Saudita, que deu um aceno tácito para os Emirados Árabes Unidos e Bahrein forjarem. laços com Israel há dois anos. 

Antes da visita de Biden, a Arábia Saudita disse que abriria seu espaço aéreo para todas as transportadoras aéreas, abrindo caminho para mais sobrevoos de e para Israel, em uma decisão saudada por Washington como abrindo caminho para um Oriente Médio mais integrado, estável e seguro.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO