CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Casa Branca acusa Lula de "repetir propaganda russa" e nega ser responsável pela guerra na Ucrânia

John Kirby, porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, chamou as declarações do presidente Lula de "profundamente problemáticas"

Imagem Thumbnail
John Kirby e Lula (Foto: Reuters)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Casa Branca reagiu às declarações do presidente Lula sobre o papel de Washington em incentivar a guerra na Ucrânia, acusando o Brasil de "repetir a propaganda russa sem olhar para os fatos'. 

O presidente Lula acredita que os Estados Unidos e a União Europeia incentivam a guerra ao fornecerem armas para a Ucrânia sem se preocuparem com negociações de paz. O Brasil defende um cessar-fogo e negociações de paz envolvendo outros países neutros.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"O presidente Putin não toma a iniciativa de parar. Zelenski não toma a iniciativa de parar. A Europa e os Estados Unidos continuam contribuindo para a continuação desta guerra", disse o presidente Lula no domingo (16).

John Kirby, porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, chamou as declarações do presidente Lula de "profundamente problemáticas". Ele citou ainda uma declaração do presidente Lula sobre o status da Crimeia, reintegrada à Rússia em 2014 após um referendo popular. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"É profundamente problemático como o Brasil abordou essa questão de forma substancial e retórica, sugerindo que os Estados Unidos e a Europa de alguma forma não estão interessados na paz ou que compartilhamos a responsabilidade pela guerra", disse o porta-voz a jornalistas. "Francamente, neste caso, o Brasil está repetindo a propaganda da Rússia sem olhar para os fatos", acrescentou. 

Sobre a Crimeia, o presidente Lula sugeriu: “O que Putin quer? Ele não pode ficar com o território da Ucrânia. Talvez nem se discuta a Crimeia, mas, o que ele invadiu de novidade, vai ter que repensar”. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Kirby rebateu: "Os comentários mais recentes do Brasil de que a Ucrânia deveria considerar ceder formalmente a Crimeia como uma concessão pela paz são simplesmente equivocados, especialmente para um país como o Brasil que votou para defender os princípios de soberania e integridade territorial na Assembleia-Geral da ONU".

Os EUA e seus aliados da Otan estão aumentando a pressão para que o Brasil passe a fornecer armas à Ucrânia, o que o presidente Lula rejeitou enfaticamente, incomodando os apoiadores de Kiev. 

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO