Governo Bolsonaro deixa Brasil de fora de reunião entre China e países da América Latina

A China apresentou nesta quinta-feira um plano de cooperação e recuperação da América Latina e Caribe depois da pandemia do coronavírus. O Brasil ficou fora da reunião.

www.brasil247.com - Conferência China-América Latina
Conferência China-América Latina (Foto: REUTERS/Adriano Machado | Prensa Latina)


247 - Em uma reunião virtual com ministros de Relações Exteriores de países latino-americanos e caribenhos na manhã desta quinta-feira (23), o chanceler chinês Wang Yi apresentou um projeto de recuperação para a região depois da pandemia do coronavírus, com apoio à produção de vacinas. O governo Bolsonaro não participou da reunião. Com sua posição de hostilidade à China, Bolsonaro deixará o Brasil fora do projeto de recuperação.

A videoconferência foi presidida conjuntamente pelos ministros das Relações Exteriores da China e do México e incluiu a participação de Cuba, Argentina, Barbados, Chile, Colômbia, Costa Rica, Dominica, Panamá, Peru, Trinidad e Tobago, Uruguai e Equador.

Wang Yi reiterou a disposição da China de apoiar a pesquisa de vacinas na região com equipes médicas, conceder empréstimos especiais para obras de infraestrutura de saúde pública e fundos para a execução de programas da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O chanceler chinês propôs manter o comércio e os investimentos de maneira flexível, a exportação de produtos da América Latina e do Caribe que atendam aos altos padrões de qualidade e quarentena do país asiático, promover vôos comerciais e abrir canais de acesso rápido para a transferência de funcionários das empresas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O progresso na construção da iniciativa Um cinturão, uma rota, especialmente em setores como agricultura, energia, saúde pública e economia digital também esteve entre as propostas do chanceler chinês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Wang Yi assegurou que seu país está pronto para fortalecer o diálogo e a comunicação no contexto do Fórum China-Celac (Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe), do Mercado Comum do Sul e da Aliança do Pacífico.

Entre outras questões, ele pediu posições de coordenação na arena internacional a favor do multilateralismo e da economia aberta, contra o avanço do unilateralismo, do protecionismo e do assédio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com uma nota oficial, a reunião foi concluída com a adoção de uma declaração conjunta sobre a resposta à pandemia de Covid-19, informa a Prensa Latina

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email