CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

China ultrapassa EUA em patentes de Inteligência Artificial

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

247 - Em agosto, o governo americano anunciou a liberação de US$ 1 bilhão em financiamentos para garantir "que os EUA continuem a liderar o mundo em inteligência artificial e computação quântica", segundo o diretor de tecnologia dos EUA, Michael Kratsios. Parece que o dinheiro chegou tarde demais: pela primeira vez, a China ultrapassou os EUA em número de patentes de IA, com mais de 110 mil pedidos registados no ano passado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A notícia foi dada pelo vice-chefe da Academia Chinesa de Estudos do Ciberespaço, Li Yuxiao em entrevista coletiva no último dia 23, durante o 7ª Conferência Mundial da Internet (WIC). “A China está fortalecendo sua independência em tecnologia da informação na internet”, disse ele, sem citar quantas patentes de IA foram registradas pelos EUA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante o evento, foram apresentados dois estudos sobre os esforços chineses no desenvolvimento de economia digital interna. O país já declarou que espera se tornar líder mundial em inteligência artificial até 2030 e, para isso, está direcionando financiamento e pessoal para reforçar e alavancar sua posição como maior mercado de IA. Hoje, ela ocupa o segundo lugar, mesmo em meio à guerra comercial e tecnológica entre Beijing e Washington.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo dados da empresa de pesquisa iiMedia, em 2019, vigilância foi o setor que mais usou IAl na China (53,8%), seguida por finanças (15,8%), marketing ( 11,6%) e transporte ( 4,2%). A economia digital, como um todo, rendeu ao país US$ 5,4 trilhões – 36,2% do produto interno bruto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O financiamento de US$ 1 bilhão em pesquisa anunciado pelo governo americano é um dos últimos movimentos para enfrentar o crescimento do país asiático no cenário tecnológico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O aumento de pedidos de patentes de IA para implantação comercial em atividades de vigilância provocou a inclusão de gigantes como Huawei e ZTE na lista de empresas impedidas de negociar com parceiros americanos, o que restringiu seu acesso a componentes como semicondutores e software, informa a Tecmundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE