Crise energética: UE é forçada a negociar internamente embargo petrolífero à Rússia

Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, teria qualificado o impacto do embargo ao petróleo russo "como uma bomba atômica na economia húngara"

Bandeiras da União Europeia na sede da Comissão Europeia em Bruxelas, na Bélgica 06/03/2019
Bandeiras da União Europeia na sede da Comissão Europeia em Bruxelas, na Bélgica 06/03/2019 (Foto: REUTERS/Yves Herman)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Sputnik - A Comissão Europeia está em negociações com alguns Estados-membros, que revelam grande dependência energética dos fornecimentos vindos da Rússia em meio à tentativa de anunciar uma sexta rodada de sanções.

A sexta rodada de sanções anti-Rússia em preparação pela União Europeia (UE) foi reescrita para acomodar as necessidades temporárias de alguns de seus Estados-membros, informou na sexta-feira (6) o jornal Politico.

continua após o anúncio

Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, teria qualificado o impacto do embargo ao petróleo russo "como uma bomba atômica na economia húngara", pelo que a Comissão Europeia planeja dar a Budapeste uma permissão para prorrogar a imposição das novas sanções até o final de 2024, o mesmo prazo que para a Eslováquia, que também tem forte dependência energética da Rússia.

"Consideramos este problema apenas do ponto de vista do interesse nacional húngaro. Não nos importa o que pensem sobre isso, bem ou mal, no Oriente ou no Ocidente", disse na terça-feira (3) Peter Szijjarto, ministro das Relações da Hungria.

continua após o anúncio

Exteriores da Hungria, referindo que "é fisicamente impossível operar a economia húngara sem o petróleo bruto da Rússia".

Praga também tem resistido aos esforços da UE de banir imediatamente o petróleo russo, citando não poder apoiar a economia ucraniana em queda ao mesmo tempo que há uma "crise da economia" na República Tcheca, e obteve um prazo de até meados de 2024 para embargar o hidrocarboneto vindo da Rússia.

continua após o anúncio

A Bulgária, que tem sido forçada a usar o suprimento de sobra de vizinhos, pediu igualmente uma isenção para o embargo caso os outros países o conseguissem, mas a agência britânica Reuters escreveu na sexta-feira (6) que o pedido foi rejeitado, com um funcionário da UE comentando que os búlgaros "não têm um argumento real".

No final de abril a Rússia parou o fornecimento de gás à Bulgária e à Polônia, depois que ambas recusaram pagar por ele em rublos.

continua após o anúncio

Na quarta-feira (4) o jornal The Guardian descreveu uma "tensa e difícil" primeira reunião de embaixadores da UE em negociações sobre como punir Moscou pela operação militar especial na Ucrânia.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247