Documentos revelam que Reino Unido desempenhou papel secreto no golpe de 1964 no Brasil

Embora os EUA tenham claramente desempenhado um papel mais proeminente, arquivos recentemente desclassificados revelam a mão oculta da Grã-Bretanha no golpe através de seu apoio a agitadores-chave

www.brasil247.com - Rainha Elizabeth II encontra-se com Costa e Silva
Rainha Elizabeth II encontra-se com Costa e Silva


Por Nathália Urban - O jornalista inglês John McEvoy obteve documentos históricos do governo britânico que provam a participação do Reino Unido no golpe militar de 1964 no Brasil, e publicou suas descobertas no Declassified, mídia de jornalismo investigativo britânica.

McEvoy lembra que a participação de Washington no golpe já é bem conhecida. Depois que João Goulart aderiu à presidência em 1961, a CIA começou a despejar dinheiro no país, apoiando secretamente comícios de rua e incitando o sentimento anticomunista. Uma vez que o golpe estava em andamento, o presidente dos Estados Unidos Lyndon Johnson instruiu seus assessores a “fazer tudo o que precisamos fazer” para apoiá-lo.

O Departamento de Pesquisa da Informação (IRD), uma unidade do Ministério das Relações Exteriores que atuou como braço secreto de propaganda da Grã-Bretanha durante a Guerra Fria, também estava ativo no Brasil. Embora os EUA tenham claramente desempenhado um papel mais proeminente, arquivos recentemente desclassificados revelam a mão oculta da Grã-Bretanha no golpe através de seu apoio a agitadores-chave.

Em 1962, um engenheiro brasileiro chamado Glycon de Paiva ajudou a fundar o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES). Enquanto o IPES se colocava como um instituto educacional, seu verdadeiro objetivo era “organizar a oposição a Goulart e manter dossiês sobre qualquer pessoa que de Paiva considerasse inimiga”.

Após o golpe, o IPES se transformou no Serviço Nacional de Inteligência (SNI) do Brasil, que “serviu como espinha dorsal do sistema de controle e repressão do regime militar”.

Arquivos recém-desclassificados detalham o suporte britânico ao IPES. Em 6 de fevereiro de 1962, o oficial de campo do IRD Robert Evans descreveu: “um dos desenvolvimentos mais significativos que afetaram minhas atividades foi a formação do IPES”.

Uma semana depois, o funcionário do IRD Geoffrey McWilliam recebeu uma carta sobre “Organizações Anticomunistas de Empresários” no Brasil. O remetente permanece em segredo e parece ser os serviços de segurança britânicos.

A carta observou que “já que a principal tarefa do IPES durante os próximos meses será garantir que o Congresso não caia nas mãos comunistas nas eleições de outubro, eles presumivelmente terão muito uso para material do IRD”.

Pouco depois, as empresas britânicas no Brasil criaram uma fundação para fornecer fundos mais discretamente ao IPES - um esquema que teve “a aprovação dos departamentos do Embaixador da HM e do FO [Escritório Estrangeiro]”.

O Ministério das Relações Exteriores também concordou em ajudar diretamente o IPES. Rosemary Allott, funcionária sênior do IRD, permitiu que o IPES recebesse “nosso material”, mas o financiamento direto de suas operações de publicação não foi aconselhado.

Onze dias antes do golpe, Robert Evans pontuou: “mantenho contato próximo com o ramo carioca do IPES sobre as edições em português da literatura do IRD e por levar material às forças armadas”.

Ele acrescentou que esperava se encontrar com um general do Exército “que parece ter desenvolvido um método singularmente bem-sucedido para lidar com as reuniões da organização da frente comunista”.

Após o golpe, a embaixada britânica revisou as operações clandestinas do IRD no Brasil. “Antes da Revolução, nosso principal esforço do IRD não foi feito com o conhecimento e a aprovação das autoridades”, escreveu a embaixadora britânica Leslie Fry.

Em uma aparente referência ao IPES, Fry relatou que “alguns dos contatos do IRD acabaram sendo os cumes de icebergs bastante grandes, com liderança responsável. [...] Uma ou duas personalidades importantes têm circulado por aí falando sobre sua contribuição [oficial de campo IRD Evans] para a derrota do comunismo no Brasil. É verdade, mas não o tipo de coisa que queremos dizer”.

O IRD também ajudou a União Cívica Feminina (UCF), um movimento de mulheres católicas que mobilizou comícios de rua antigoverno em massa nas semanas anteriores ao golpe.

No primeiro ano da ditadura brasileira, autoridades britânicas discutiram a recepção do instigador golpista General Costa e Silva na Grã-Bretanha.

Depois de se tornar presidente brasileiro em 1967, Costa e Silva assinou o Ato Institucional no 5 (AI5), que permitiu o encerramento do Congresso, removeu o habeas corpus, proibiu reuniões políticas e forneceu uma carta branca para tortura. Essas medidas foram recebidas “com satisfação por aqueles preocupados com a indústria e o comércio”, observou o oficial de campo do IRD R.A. Wellington.

Apesar das enormes violações dos direitos humanos, o IRD continuou “a ajudar discretamente o Brasil no campo da contra-subversão” durante a década de 1970. Seu material cobriu “temas anticomunistas [...],Movimentos negros, a situação estudantil e a posição da Grã-Bretanha em relação a Gibraltar”.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email