Empresa suíça de criptografia controlada pela CIA vendia equipamentos propositalmente corrompidos

Depois do caso da Crypto AG, empresa suíça de criptografia que fornece material para o governo brasileiro desde a década de 1950, mais uma empresa do ramo foi descoberta sob o controle da CIA

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Sputnik com 247 - A empresa suíça Crypto AG, de criptografia, fornece material, no Brasil, para a Marinha, o Exército e o Itamaraty desde a década de 1950. A empresa foi controlada pela CIA (espionagem norte-americana) até 2019.

Além do Brasil, mais de 120 países foram clientes da Crypto AG. A grande maioria deles, entretanto, abandonou a empresa há anos, após uma forte onda de suspeitas que começou em meados dos anos 1990.

Depois do caso da Crypto AG, foi divulgada nesta sexta-feira (27) a descoberta de mais uma empresa suíça de criptografia com vínculos com os serviços secretos dos Estados Unidos e da Alemanha.

A Omnisec AG vendia equipamentos de comunicação secreta propositalmente corrompidos, conforme revelou nesta sexta-feira (27) a SRF, canal de TV público da Suíça.

CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

Segundo a reportagem, a empresa, que faliu há dois anos, vendia material de criptografia de voz, fax e dados para governos do mundo inteiro. Assim como acontecia com a Crypto AG, os produtos da Omnisec AG permitiam que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, a CIA, e o Serviço Federal de Inteligência (BND) da Alemanha tivessem acesso a mensagens que seus clientes consideravam seguras.

De acordo com a SRF, a Omnisec AG também vendeu dispositivos para agências federais suíças, para o maior banco do país e para outras empresas privadas da Suíça.

"Como pode um caso desse acontecer em um país que se diz neutro como a Suíça?", indagou um dos diretores do Partido Socialista da Suíça, Cedric Wermuth, de acordo com a SRF.