CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

First Republic Bank vai à falência nos EUA; JP Morgan irá comprar os ativos e assumir depósitos

Gigante bancário assumirá $173 bilhões em empréstimos e cerca de $30 bilhões em títulos do First Republic Bank, incluindo $92 bilhões em depósitos

Imagem Thumbnail
First Republic Bank (Foto: Reprodução/Facebook)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - Os reguladores dos Estados Unidos disseram nesta segunda-feira que o First Republic Bank (FRC.N) foi confiscado e um acordo foi fechado para vender o banco para o JPMorgan Chase & Co (JPM.N), sendo esta a terceira grande instituição americana a falir em dois meses.

O gigante bancário assumirá $173 bilhões em empréstimos e cerca de $30 bilhões em títulos do First Republic Bank, incluindo $92 bilhões em depósitos, disse o JPMorgan em um comunicado. Dívida corporativa ou ações preferenciais do banco não serão assumidas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As ações do First Republic Bank despencaram 36% nas negociações pré-mercado. A ação perdeu 97% de seu valor este ano. As ações do JPMorgan subiram 2,6%, enquanto os futuros do S&P 500 estavam sendo negociados de forma estável.

O JPMorgan foi um dos vários compradores interessados, incluindo o PNC Financial Services Group (PNC.N) e o Citizens Financial Group Inc (CFG.N), que apresentaram ofertas finais no domingo em um leilão realizado pelos reguladores americanos, disseram fontes familiarizadas com o assunto durante o fim de semana.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O Departamento de Proteção e Inovação Financeira da Califórnia anunciou cedo na segunda-feira que havia assumido a posse do First Republic e que a Corporação de Seguro de Depósito Federal (FDIC) atuaria como sua recebedora.

A FDIC estimou em um comunicado que o custo para o Fundo de Seguro de Depósito seria de cerca de $13 bilhões. O custo final será determinado quando a FDIC encerrar a recebedoria.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 O resgate ocorre menos de dois meses depois que o Silicon Valley Bank e o Signature Bank faliram em meio a uma fuga de depósitos de credores americanos, forçando o Federal Reserve a intervir com medidas de emergência para estabilizar os mercados. Essas falhas ocorreram depois que o Silvergate, focado em criptomoedas, foi liquidado voluntariamente.

"Nosso governo nos convidou e a outros a se manifestarem, e nós o fizemos", disse Jamie Dimon, presidente e CEO do JPMorgan Chase. "Nossa força financeira, capacidades e modelo de negócio nos permitiram desenvolver uma oferta para executar a transação de forma a minimizar os custos para o Fundo de Seguro de Depósito."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O JPMorgan disse que espera obter um ganho único após impostos de aproximadamente US$ 2,6 bilhões após o acordo, o que não reflete os cerca de US$ 2 bilhões em custos de reestruturação pós-impostos prováveis ​​nos próximos 18 meses.

Ele disse que o banco estaria "muito bem capitalizado" após a transação, com um índice de nível um de capital comum (CET1) consistente com sua meta do primeiro trimestre de 2024 de 13,5% e manteria buffers de liquidez saudáveis.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As 84 agências do banco falido em oito estados serão reabertas como filiais do JPMorgan Chase Bank a partir de segunda-feira, de acordo com o comunicado do JPMorgan.

O JPMorgan tem estado em uma onda de aquisições desde 2021, adquirindo mais de 30 empresas em negociações que juntas valem mais de US$ 5 bilhões.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nos últimos anos, os reguladores americanos têm sido lentos em aprovar grandes negociações bancárias. A administração Biden também tem combatido práticas anti-competitivas.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO