CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Parlamento israelense aprova projeto proibindo reconhecimento da Palestina, que protesta

Knesset aprovou uma resolução rejeitando quaisquer tentativas de impor o reconhecimento de um estado palestino a Israel

(Foto: Reuters/Lisi Niesner)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

(Sputnik) - O Ministério das Relações Exteriores da Palestina condenou nesta quarta-feira (21) a adoção de uma resolução pelo parlamento israelense que rejeita o reconhecimento unilateral de um Estado palestino por Israel sob pressão internacional.

Mais cedo no mesmo dia, o Knesset aprovou uma resolução rejeitando quaisquer tentativas de impor o reconhecimento de um Estado palestino a Israel. A resolução foi adotada por uma maioria absoluta de votos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Ao rejeitar um Estado palestino e mostrar hostilidade ao mundo, eles buscam persistentemente infringir os direitos de nosso povo com suas forças ocupantes, mantendo o estado palestino refém de seus interesses coloniais racistas", disse o ministério em um comunicado.

A decisão do Knesset é "uma tentativa oficial de Israel de desafiar a comunidade internacional", de acordo com o comunicado.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"A plena adesão do Estado da Palestina às Nações Unidas e seu reconhecimento por muitos estados não requerem a permissão de [o primeiro-ministro israelense Benjamin] Netanyahu", leu-se no comunicado.

A Assembleia Geral da ONU votou em 1947 pela divisão da Palestina, administrada pelo Reino Unido, em Estados árabe e judeu, com Jerusalém colocada sob um regime internacional especial. A partição estava planejada para acontecer em maio de 1948, quando o mandato britânico deveria terminar, mas apenas o Estado de Israel foi estabelecido.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO