Mundo

Trump diz que imigrantes envenenam o sangue dos Estados Unidos

O ex-presidente e atual candidato republicano repete discurso xenófobo e retórica nazista

Imagem Thumbnail
Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump - 27/04/2023 (Foto: REUTERS/Brian Snyder)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - Donald Trump, o principal candidato à presidência pelo Partido Republicano, afirmou no sábado (16), que imigrantes indocumentados estavam "envenenando o sangue de nosso país", repetindo uma linguagem que anteriormente recebeu críticas por ser xenófoba e ecoar retórica nazista.

Trump fez esses comentários durante um evento de campanha em New Hampshire, onde criticou o recorde de migrantes tentando cruzar a fronteira dos EUA ilegalmente. Trump prometeu reprimir a imigração ilegal e restringir a imigração legal se for eleito para um segundo mandato de quatro anos.

"Eles estão envenenando o sangue de nosso país", disse Trump em um comício na cidade de Durham, que contou com a presença de vários milhares de apoiadores, acrescentando que imigrantes estavam vindo para os EUA da Ásia e África, além da América do Sul. "Do mundo inteiro, eles estão entrando em nosso país."

Trump usou a mesma expressão "envenenando o sangue" durante uma entrevista ao The National Pulse, um site de tendência de direita, publicada no final de setembro. Isso provocou uma repreensão da Liga Antidifamação, cujo líder, Jonathan Greenblatt, chamou a linguagem de "racista, xenofóbica e desprezível".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Jason Stanley, professor de Yale e autor de um livro sobre fascismo, afirmou que o uso repetido dessa linguagem por Trump é perigoso. Ele disse que as palavras de Trump ecoam a retórica do líder nazista Adolf Hitler, que alertou contra o envenenamento do sangue alemão por judeus em seu tratado político "Mein Kampf".

"Ele está agora utilizando esse vocabulário repetidamente em comícios. Repetir discursos perigosos aumenta sua normalização e as práticas que ele recomenda", disse Stanley. "Isso é muito preocupante para a segurança dos imigrantes nos EUA."

Em outubro, o porta-voz da campanha de Trump, Steven Cheung, havia rejeitado as críticas à linguagem do ex-presidente como "sem sentido", argumentando que linguagem semelhante era comum em livros, artigos de notícias e na TV.

Ao ser questionado sobre o assunto no sábado, Cheung não abordou diretamente os comentários de Trump e, em vez disso, mencionou as polêmicas sobre como as universidades dos EUA estão lidando com protestos no campus desde o ataque do Hamas em Israel em 7 de outubro, afirmando que a mídia e a academia deram "abrigo seguro para retórica antissemita e pró-Hamas perigosas e alarmantes".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A expressão "envenenando o sangue de nosso país" não estava nos discursos preparados de Trump distribuídos à imprensa antes do evento de sábado, e não ficou claro se o uso dessa retórica foi planejado ou adotado no momento.

Trump é o principal candidato à indicação presidencial do Partido Republicano para 2024 e tornou a segurança na fronteira um tema importante de sua campanha. Ele promete restaurar as políticas rígidas de seu mandato de 2017 a 2021 e implementar novas regras que restringem ainda mais a imigração.

O presidente Joe Biden, o presumível candidato do Partido Democrata, tentou promulgar políticas de imigração mais humanas e organizadas, mas tem enfrentado níveis recordes de migrantes, um problema visto como uma vulnerabilidade para sua campanha de reeleição.

Na campanha, Trump tem usado repetidamente linguagem inflamatória para descrever a questão da fronteira e criticar as políticas de Biden. No sábado, ele recitou a letra de uma música que adaptou para comparar imigrantes a serpentes mortais.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Se reeleito, Trump prometeu "interromper a invasão de nossa fronteira sul e iniciar a maior operação de deportação doméstica da história americana".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO