Crise progressista no Rio de Janeiro e no Ceará pode abrir espaço para uma aproximação maior entre PT e PDT

Nem mesmo um eventual acordo entre Lula e Ciro Gomes está descartado

www.brasil247.com - Ciro Gomes e Lula
Ciro Gomes e Lula (Foto: Reprodução/Youtube | REUTERS/Ueslei Marcelino)


247 – Em dois estados cruciais para a eleição presidencial, Rio de Janeiro e Ceará, onde há forte presença do bolsonarismo, há uma crise no campo progressista. No Rio, a aliança entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, e o deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ) ficou ameaçada depois que o PSB decidiu lançar o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) ao Senado, quebrando um acordo com o PT, que tem como pré-candidato o presidente da Assembleia Legislativa, André Ceciliano. Em resposta, o PT decidiu convidar o prefeito Eduardo Paes, do PSD, para coordenar a campanha de Lula no estado. No Ceará, a aliança de 16 anos entre PT e PDT foi quebrada, depois que a ala cirista do PDT aprovou o nome de Roberto Cláudio, ex-prefeito de Fortaleza, para disputar o governo estadual, preterindo a atual governadora Izolda Cela, que teria o apoio dos petistas. Com tal divisão, quem se fortalece no Ceará é o bolsonarista Capitão Wagner, assim como a direita, hoje liderada pelo governador Claudio Castro, também cresce no Rio, com a divisão com campo progressista.

Diante deste cenário, uma ala importante do Partido dos Trabalhadores avalia que a candidatura de Marcelo Freixo, com perfil mais à esquerda e mais identificada com pautas de costumes, complica o crescimento de Lula no Rio de Janeiro, estado com forte presença evangélica, onde a diferença entre Lula e Jair Bolsonaro já foi maior e vem se estreitando perigosamente. Por isso mesmo, há uma defesa cada vez maior da aliança com Rodrigo Neves, do PDT, e Felipe Santa Cruz, do PSD, com apoio do prefeito Eduardo Paes, para uma candidatura mais ao centro, para enfrentar Cláudio Castro e Jair Bolsonaro. O que estes setores avaliam é que o Rio será decisivo na disputa presidencial e que a questão não se resume a colocar André Ceciliano como candidato ao Senado, mas sim derrotar o bolsonarismo no estado onde esta força se criou.

Há também o sonho de costura de um acordo muito difícil, mas não impossível, que envolveria a saída de Ciro Gomes da disputa presidencial, numa aliança para que o PDT fique com dois estados importantes: Ceará e Rio de Janeiro. Caso se construa este acordo, o PT apoiaria o PDT nesses dois estados, deixando de lançar candidatura própria no Ceará e apoiando Rodrigo Neves no Rio, opção em que Freixo disputaria o Senado. Com isso, avalia-se que seria possível resolver a eleição nacional no primeiro turno e derrotar o bolsonarismo no Rio e no Ceará.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247