Maioria do STF decide que anulações das sentenças contra Lula devem ser julgadas pelo plenário

Após declaração de Lewandowski, que admitiu que os processos contra o ex-presidente são julgados de forma diferente pelo Supremo, a maioria dos ministros confirmou a legitimidade do plenário da Corte para julgar o HC de Lula

www.brasil247.com - Lula e fachada do STF
Lula e fachada do STF (Foto: Ricardo Stuckert | Reuters)


247 - A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu nesta quarta-feira (14) a primeira parte do julgamento sobre a anulação das sentenças contra o ex-presidente Lula na Lava Jato, no âmbito da incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba, afirmando que o caso deve sim ser tratado pelo plenário da Corte, e não pela Segunda Turma.

Após uma forte declaração do ministro Ricardo Lewandowski, que admitiu que os processos contra o petista são julgados de forma diferente pelo Supremo, a maioria dos ministros decidiu pelo julgamento em plenário.

Votaram pelo julgamento pelo pleno, de acordo com o relator, ministro Edson Fachin, os ministros Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Luiz Fux.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Divergiram os ministros Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Continue acompanhando o julgamento:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email