PT quer a inclusão das novas provas contra ‘Gabinete de Ódio’ em ações na Justiça Eleitoral

O PT pediu ao TSE a inclusão das novas provas colhidas pelo Facebook do funcionamento do ‘Gabinete de Ódio’ que atua na propagação de fake news para favorecer Jair Bolsonaro. Segundo a defesa da sigla, o esquema fere "o Estado de Direito, a democracia, o sufrágio universal, a isonomia e todos os princípios constitucionais" que regem a lisura do pleito eleitoral

PT vai ao TSE contra esquema de fake news
PT vai ao TSE contra esquema de fake news (Foto: Arte Agência PT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O PT pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que inclua as novas provas colhidas pelo Facebook do funcionamento do ‘Gabinete de Ódio’ que atua na disseminação de ataques aos adversários do presidente Jair Bolsonaro. A legenda também pedirá a abertura de investigação ao Ministério Público Federal para que apure a atuação de assessores de parlamentares aliados dele, a atuação irregular de Tércio Tomaz, seu assessor especial, e de dois filhos - o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

O partido destacou a reportagem do Fantástico, do último (2), quando foram reveladas evidências de abuso do poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação pela chapa dele com o seu vice, Hamilton Mourão. A matéria mostrou que, por trás dos perfis de bolsonaristas, estavam assessores de Bolsonaro e dos dois filhos, todos pagos com dinheiro público. 

De acordo com os advogados do PT Eugênio Aragão e Ângelo Ferraro, "a reportagem do ‘Fantástico’ revela que, apesar de destacar que tal organização ganhou maior volume após as eleições de 2018, também ressalta que tal rede articulada já agia durante a campanha eleitoral".

Os defensores atuaram na defesa de Fernando Haddad nas últimas eleições presidenciais, e são autores das duas ações de investigação judicial eleitoral que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.

O programa trouxe novos detalhes da apuração do Facebook que derrubou perfis bolsonaristas em junho. Segundo a denúncia, a investigação do Facebook chegou a uma estrutura de contas falsas e que compartilhavam conteúdo falso, "operada por um pequeno grupo de assessores que mantêm relação direta com o poder, com a eleição". 

No dia 8 de julho, a rede social tirou do ar 88 contas e páginas com operações ligadas a funcionários de Jair e aos seus dois filhos. Também foram removidas 38 contas do Instagram envolvidas com irregularidades. Na somatória, o esquema alcançava uma audiência de 2 milhões de pessoas, segundo a empresa Digital Forensic Research Lab (DRFLab), especializada no combate à desinformação.

O Facebook também atacou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de ordenar o bloqueio de perfis bolsonaristas fora do país na sexta-feira (31).

De acordo com os advogados, "estamos diante de fatos que desrespeitam o Estado de Direito, a democracia, o sufrágio universal, a isonomia e todos os princípios constitucionais e legais que visam regular a lisura do pleito eleitoral". 

Em maio, a Polícia Federal também identificou Carlos Bolsonaro como um dos articuladores de um esquema criminoso de fake news.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247