Câmara pode votar MP que facilita compra de vacinas nesta quinta

A MP dispensa a licitação, prevê regras mais flexíveis para os contratos e retoma a autorização para que a Anvisa aplique rito sumário para insumos e vacinas aprovados por autoridades sanitárias dos Estados Unidos, da União Europeia, do Japão, da China ou do Reino Unido

Plenário da Câmara dos Deputados 03/02/2020
Plenário da Câmara dos Deputados 03/02/2020 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A medida provisória (MP 1026/21) que facilita a compra de vacinas e insumos necessários à vacinação contra a Covid-19 deve ser pautada no Plenário da Câmara dos Deputados na quinta-feira, 18.

A MP dispensa a licitação, prevê regras mais flexíveis para os contratos para adquirir os imunizantes e retoma a autorização para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aplique rito sumário para insumos e vacinas aprovados por autoridades sanitárias dos Estados Unidos, da União Europeia, do Japão, da China ou do Reino Unido.

O dispositivo fazia parte da lei de enfrentamento à pandemia, que perdeu a vigência com a virada de 2020 para 2021, mas acabou mantido por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski.

A medida ocorre num momento em que o município do Rio de Janeiro já suspendeu a campanha de vacinação contra a Covid-19 por falta de imunizantes. Situação parecida vive o estado da Bahia, conforme relatado pelo governador Rui Costa (PT) à TV 247.

Assista ao programa da TV 247 com governadores sobre a vacinação em seus estados e se inscreva no canal:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email