Câmara quer instaurar CPI do Viagra

Além do gasto com o fármaco, a CPI do Viagra também investigará outras compras de supérfluos e com indícios de superfaturamento realizadas pela Defesa

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 -  A farra do viagra nas Forças Armadas pode virar tema de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). O deputado federal Bira Pindaré, líder do PSB na Câmara, já começou a colher assinaturas para investigar a compra de 35 mil unidades do viagra, remédio associado ao tratamento de disfunção erétil, comprado pelo Ministério da Defesa, revela a coluna do jornalista Lauro Jardim.

Para instaurar a CPI serão necessárias 171 assinaturas.

>>> Além de viagra, Exército também comprou 60 próteses penianas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pindaré acrescenta que além do gasto com o fármaco, a CPI do Viagra também investigará outras compras de supérfluos e com indícios de superfaturamento realizadas pela Defesa, como os R$ 51 milhões em picanha e filé mignon. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A nova Lei de Licitações, que em atenção ao princípio da eficiência e da moralidade, estabelece expressamente que os itens de consumo adquiridos para suprir as demandas das estruturas da Administração Pública deverão ser de qualidade comum, não superior à necessária para cumprir as finalidades às quais se destinam, vedada a aquisição de artigos de luxo", justifica o deputado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email